Fórum MJ Art

Seja bem-vindo!

O Fórum MJ Art é totalmente dedicado ao eterno Rei do Pop, Michael Jackson.
Para ter acesso a todo nosso conteúdo, basta efetuar seu login ou se registrar.

Venha fazer parte da nossa família!


    [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Compartilhe
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Seg Jul 01, 2013 6:23 pm

    Jackson x AEG - 31º Dia - 17 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Família Jackson não estava na Corte.

    Testemunho de
    David Berman

    William Bloss, advogado dos Jacksons, fez o questionamento. Sabrina Strong para AEG. (ABC7)

    Berman é executivo da indústria da música há 45 anos. Ele possui bacharelado em Administração de Empresas pela Universidade de Michigan e JD de Harvard.

    Berman foi contratado 38 vezes para depor em tribunal como testemunha perito, 60% das vezes por autores. Berman disse que foi contatado pelos advogados reclamantes, em dezembro do ano passado. (ABC7)

    Berman disse que analisou um "enorme quantidade de materiais escritos." Incluindo 26 depoimentos. Ele está sendo pago com $ 500/hora por  seu trabalho. (AP)

    Perguntado se era apropriado a AEG Live tentar contratar um médico em nome de Jackson, Berman respondeu: "Eu acredito que é altamente inapropriado. Isso é altamente incomum." (AP)

    Ele disse que um dos e-mails enviados a Ortega, Phillips parecia indiferente ás preocupações do diretor sobre a saúde de Jackson. (AP)

    Berman disse que o fato de Dr. Murray querer US$ 5 milhões para ser contratado como médico de MJ é uma espécie de bandeira vermelha, apesar de ter sido recusado. Berman: Mesmo valor de $ 150mil/mês, conforme acordado, é uma quantia exorbitante. É mais dinheiro do que para qualquer indivíduo na turnê. O especialista disse que a AEG estava ciente de que um outro médico, o Dr. Finkelstein, estava disposto a assumir o cargo de médico de MJ por US $ 40mil ao mês. Berman: Se houvesse uma alternativa ao Dr. Murray em uma fração do preço, parece-me que a informação deveria ter sido repassada ao MJ (ABC7)

    Bloss mostrou o e-mail onde Paul Gongaware escreveu: "Feito em US$ 150mil ao mês, por MJ." "É indicativo do fato de que o acordo havia sido alcançado mais em favor da AEG Live que Dr. Murray", Berman explicou. Berman disse que não acha que só este e-mail prove que a  AEG contratou Dr. Murray. (ABC7)

    Berman disse que era um acordo entre três partes, entre a AEG Live, Dr. Murray e MJ. Berman disse que e-mails sobre o acordo nunca foram enviados para MJ. (ABC7)

    Berman declarou que não é incomum um artista contratar e trazer seu próprio médico em turnê. No entanto, Berman opina que a AEG se inseriu no meio do negócio como uma tentativa para estar em condições de controlar o médico de MJ. (ABC7)

    Berman disse que não é incomum no negócio do entretenimento alterar contratos sem colocar as mudanças na escrita. Por exemplo, Berman disse que o acordo de MJ pediu 31 shows, que foi alterado para 50; o orçamento da turnê era de US $ 7,5 milhões, aumentsndo para US $ 30 milhões. (ABC7) É comum que as partes na indústria da música cheguem a acordos orais, em seguida, colocam os termos na escrita, Berman disse aos jurados. (AP)

    Berman disse que seu entendimento é de que a AEG Live garantiu moradia em Londres para o Dr. Murray e estava incluído no Reino Unido para a turnê, Berman disse que, além de seguro, a AEG solicitou que o Dr. Murray estivesse no controle de cronograma de ensaios de MJ.
    Berman: Se o contrato foss rescindido, em seguida, contrato com Conrad Murray seria rescindido, dando s Dr. Murray ainda maior conflito. "Ele estava em apuros, ele precisa deste show. Ele correu o risco de perder ainda mais a compensação", Berman opinou.
    Gongaware disse: "Queremos lembrar ao Dr. Murray que é a AEG, não MJ, quem está pagando o seu salário. Queremos que ele compreenda o que se espera dele." "É indicatativo do fato de que eles queriam controlar os serviços do Dr. Murray, "Berman opinou. (ABC7)

    Berman disse AEG não tem experiência com supervisão de médicos. "Isso não é sua área de especialização." A cadeia de e-mails "Problemas em Frente" mostra uma tentativa de exercer algum grau de controle, disse Berman. Sr. Branca imediatamente responde dizendo que ele tem uma pessoa que pensa que poderia ajudar, disse Berman. A AEG rejeita a proposição sobre a pessoa que Sr. Branca sugere e nunca respondeu a questão de abuso de substâncias, Berman opinou. (ABC7)

    AEG interrogando


    AEG Live é principalmente promotora de concertos, Berman explicou. (ABC7) Strong observou que Berman não havia trabalhado como promotor ou produtor de shows, nem tinha trabalhado em uma turnê antes. (AP)

    Berman nunca trabalhou com MJ em uma turnê. "Eu estava em uma festa, onde ele participou, mas não fui apresentado a ele", disse Berman. (ABC7)

    Forte: Você concorda aqui que MJ escolheu Dr. Murray?
    Berman: Esse é o meu entendimento (ABC7)

    Strong: Dr. Murray estava sob pressão, porque ele poderia perder o emprego?
    Berman: Eu sinto que ele deveria se preocupar com isso, sim (ABC7)

    Strong perguntou Berman se os artistas têm a habilidade para não performar. Ele respondeu que eles têm habilidade física, mas legalmente seria quebra de contrato. (ABC7)

    Strong perguntou a Berman se sabe que a AEG Live negociou o contrato com Karen Faye, maquiadora. Ele disse que sim, e ele não tinha nenhum problema com isto.
    Strong: Faye poderia ter causado danos à pele do rosto de MJ? (Um dos jurados olhou Strong muito confuso!)
    Berman: Qualquer um poderia ter ferido MJ (ABC7)

    "O contrato é entre a AEG Live e Dr. Murray," Berman disse, acrescentando que MJ é uma terceira parte beneficiária. Strong mostrou o acordo de contrato de Dr. Murray a Berman , "executar serviços razoavelmente solicitados pelo produtor." Strong disse que isso foi um erro. (ABC7)

    "Produtor fez o pedido que Dr. Murray executasse os serviços", disse Berman. Shawn Trell, na platéia, sacudiu a cabeça. (ABC7)

    "MJ não assinou", disse Berman sobre o contrato do Dr. Murray. Nem a AEG Live, Strong perguntou. Isso está correto, Berman respondeu. (ABC7)

    Strong perguntou a Berman sobre o pedido de registros médicos de MJ para fins de seguro. Ele disse que iria beneficiar tanto AEG quanto MJ. (ABC7)

    Strong exibiu uma declaração assinada por Frank Dileo em julho de 2009, em que afirmou que ele estava ciente das negociações com Murray. A declaração de Dileo indicou que  Randy Phillips, da AEG Live, se opôs à contratação de Murray, mas Jackson o queria. Berman disse que a declaração não lida com o problema de que o contrato de Murray não foi enviado para os representantes de Jackson, de acordo com  e-mails mostrados no tribunal. (AP)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Seg Jul 01, 2013 7:41 pm

    Jackson x AEG - 32º Dia - 18 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Testemunho de Kai Chase

    Parte Jackson interrogando


    Advogada Deborah Chang está fazendo o questionamento.

    Chase disse que ela tem sido chef pessoal nos últimos 17 anos. Ela atualmente trabalha para Katherine Jackson e para os filhos de MJ. Chase trabalhava para MJ enquanto ele estava se preparando para a turnê. Ela começou a trabalhar para ele no final de março, foi demitida em maio e trazida de volta em junho de 2009. (ABC7)

    Chase disse que ela estudou nutrição dos alimentos, mas não tem formação como nutricionista. (ABC7)

    Chase disse que primeiro que foi entrevistada pelo assistente de Jackson, Michael Amir Williams. Em seguida, ela foi para a mansão de Jackson para uma segunda entrevista. A segunda entrevista foi com os filhos de Jackson, disse Chase. Eles descreveram como eles e seu pai gostava de comida saudável, disse ela. Ao final da sessão, ela obteve o trabalho de chef. (AP)

    "Essas crianças eram o seu mundo," Chase disse aos jurados.  (AP)

    Às vezes, eles fingiam que estavam comendo em outras partes do mundo, Chase disse. Chase disse que ela estava ensinando aos filhos de Jackson sobre a comida. Ela escrevia o menu em um quadro na cozinha. (AP)

    Chase disse que as crianças estudavam em casa, de segunda a sexta-feira, assim que o Sr. Jackson gostava de manter as coisas criativas. Chase deu como exemplo segunda-feira era dia de leitura, na terça-feira era de artes e ofícios, na quarta-feira assistiam um filme clássico, em seguida, escreviam sobre ele. Chase disse que as crianças aprenderam matemática, ciências, língua estrangeira. Eles tinham um professor, estavam constantemente sendo educados. "Ele tinha muito orgulho de ajudar as crianças a desenvolver a língua estrangeira e arte," Chase testemunhou. "As crianças não eram autorizadas a assistir televisão" (ABC7)

    Chase descreveu a estreita ligação entre Jackson e seus filhos, dizendo aos jurados que os jovens corriam para o pai, quando ele entreva pela sala. "Eles decolavam como um relâmpago", disse ela, abraçando os tornozelos e pernas de seu pai. (AP).

    Ela testemunhou que a casa tinha animais: cão, pássaro (que assobiava para mulheres bonitas) 2 gatos, coelho, o Prince tinha um rato com quem ele andava pela casa. Chase disse que as crianças eram responsáveis ​​e ajudavam com os animais (ABC7)

    Chase contou que foi com Paris à noite para o quintal para procurar uma mãe e um bebê caracol. Jackson as pegou no caminho de volta. "Naquele momento, eu sabia que ia ser demitida", lembrou Chase, mas disse que MJ ficou bem com isto. Paris e Chase colocaram os caramujos em um frasco, fizeram uma pequena fazenda de caracóis, colocaram na cozinha.
    Ela disse que colocou os desenhos de Blanker na geladeira. (ABC7)

    Chase testemunhou que o relacionamento de MJ com as crianças era caloroso, amoroso. "Estes são meus bebês", MJ dizia.

    Paris Jackson costumava escrever notas para o pai em um quadro na cozinha, que Chase usava para listar o menu de refeições do dia. Uma mensagem da filha de Jackson mostrada aos jurados dizia: "Eu amo o papai" e "Sorria, é de graça." (AP)

    Explicou ela fez um monte de sucos para ele com batidas, vegetal orgânico, muita proteína magra, vegetais. MJ comia frango, peixe e peru, não comia porco ou carne [vermelha]. Chase disse que MJ gostava de comida mexicana. (ABC7)

    Paris comemorou seu aniversário de 11 anos no início de abril. Chase disse que MJ disse às crianças que podiam comer o que quisessem naquele dia. Paris escolheu decorar a festa com tudo sobre Michael Jackson. MJ, em seguida, levou os filhos para o quintal, onde ele tinha um estilo de Cirque du Soleil que se apresentou para ela. "Eles se sentaram lá e assistiram", disse Chase. "E eu chorei." Esse foi o último aniversário que ela teve com o pai. Chase disse que Paris não teve mais festas de aniversário, pois, ela não quer comemorar mais. (ABC7) A sala de jantar foi decorada com  cartazes e capas de álbuns de Michael Jackson, enquanto sua música era tocada ", porque isso é o que ela queria para seu aniversário de 11 anos," (CNN)

    Chase disse que MJ estava muito animado com o que estava acontecendo, estava animado para seus filhos vê-lo se apresentar. "Prince, na verdade, me disse que seu pai queria que eu fosse para Londres para a turnê," ela testemunhou. (ABC7)

    Grace Rwamba era a babá das crianças. Chase a descreveu como calorosa e amorosa. "Esta é a mãe que conheciam, tinha estado com eles desde o nascimento". "Me disseram que ela foi demitida", disse Chase. (CNN)

    "Eu fui demitida em início de Maio por Michael Amir", disse Chase. Chase disse que foi dito que houve uma mudança na gestão.
    "Eu implorei com ele", disse Chase. Ela não conseguiu dizer adeus ao MJ ou seus filhos, não teve qualquer discussão com MJ sobre o salário.
    Ela disse que antes da demissão, ela não estava sendo paga regularmente, mas os advogados da AEG se opuseram a alguns e-mails que estavam sendo mostrado ao júri. (AP)

    "Quando eu voltei em junho, as crianças e Sr. Jackson queriam que eu voltasse", explicou Chase. Chase disse que MJ foi até ela e perguntou onde ela havia ido. "Eu preciso de você para me manter saudável e a meus filhos" . "Estou trabalhando duro, eles estão me matando, eu preciso de sua ajuda", disse Chase que MJ teria dito a ela. (Abc7)

    Ela nunca viu a crianças ou MJ em maio. No início de junho, Chase disse que recebeu um telefonema de Michael Amir pedindo-lhe para voltar. "A energia da casa não era a mesma", disse Chase. Em abril, Chase disse que MJ estava forte, saudável e ativo. "Ele parecia bem" ela lembrou. (ABC7)

    Chase voltou a trabalhar no dia 2 de junho.
    Chang: Você notou alguma diferença no MJ?
    Chase: Sim, eu notei que o Sr. Jackson parecia muito diferente (ABC7)

    "Ele parecia muito fraco, ele parecia muito mais magro, desnutrido, ele não parecia tão bem como eu tinha visto ele". (ABC7)

    Chase descreveu quando ela observou filho de MJ, Prince,  ajudando Michael a subir as escadas uma vez. "Para uma criança de 12 anos, tentando levar seu pai, isso me entristece," Chase lembrou. (ABC7)

    Ela conheceu Dr. Murray nas primeiras semanas de abril. "Ele se apresentou para mim como médico pessoal de Michael", explicou Chase. "A maioria das vezes que eu vi o Dr. Murray lá era pela manhã," testemunhou. Ela assumiu que o Dr. Murray tinha passado a noite. Dr. Murray nunca discutiu nutrição de MJ com Chase. "Eu pensei que era muito estranho um médico não verificar os hábitos alimentares de MJ".  Em junho, Chase lembra de ter visto o Dr. Murray na casa todas as manhãs. (ABC7)

    "Meu quarto era a cozinha, não havia nenhuma razão para eu ir lá em cima," Chase explicou sobre não ir para o andar superior da casa. "Eu vi o Dr. Murray trazer tanques de oxigênio descendo as escadas até a cozinha," lembrou.

    Ela testemunhou sobre a reunião de junho com os executivos da AEG, Randy Phillips e Paul Gongaware, Murray e Jackson. Ela disse que um vaso foi quebrado durante a reunião, mas ela não sabia quem quebrou. Ela disse que Jackson e Murray deixaram a reunião. Após a reunião, Phillips, Gongaware e Dileo ficou na casa. Eles ainda estavam lá quando ela saiu. Ela disse que Jackson parecia que tinha "o peso do mundo sobre seus ombros", após essa reunião. (AP)

    O chef não suspeitava Dr. Murray estava fazendo algo prejudicial para Michael Jackson. (ABC7)

    Em 24 de junho, Chase chegou à casa, como habitual, fez o café da manhã. Dr. Murray estava lá, veio de cima para a cozinha por volta das 10h. Em junho, MJ raramente descia para tomar café da manhã, Chase explicou. Dr. Murray recebia a comida e levava com ele. (ABC7)

    Em 25 de junho, Chase chegou no horário normal. Ela preparou o café da manhã. "Tudo estava lindo, como sempre." Chase disse que as crianças estavam brincando, ela foi fazer compras. O almoço era servido sempre em torno de 12:30. Viu Dr. Murray entre 12:05 e 12:10 descendo as mesmas escadas como sempre. "Ele estava com medo," ela testemunhou. Chase disse que o Dr. Murray gritou para ela "vá buscar ajuda, vá buscar a segurança, vá buscar Prince." Chase parou e foi buscar Prince. Ela lhe disse: "Depressa, Dr. Murray precisa de você, pode haver alguma coisa errada com o seu pai." Prince foi para o Dr. Murray e Chase viu as governantas da casa, Jimmy e Blanca, chorando dizendo que não poderia haver algo errado com o Sr. Jackson. Chase: Eu ouvi Prince gritando 'papai, papai, papai', Paris gritou 'papai'!
    Chase se emociona, chora um pouco. Chase disse que ela não queria que os filhos sentissem dor. Então ela abraçou as crianças e disse: "Vamos orar". Chase disse que as pessoas estavam chorando, a segurança estava em todo lugar, paramédicos subindo as escadas, o caos. "Eles estavam devastados", disse Chase sobre as crianças. Katherine Jackson, enxugou os olhos, chorou na platéia. Chase disse que ouviu no rádio que MJ tinha morrido. "Eu não queria acreditar, eu pensei que eles estavam mentindo", disse Chase. (ABC7)

    Sobre o retorno ao trabalho no ano passado, Chase disse que recebeu um telefonema dizendo que as crianças pediam desde a morte de seu pai. "As crianças realmente sintiram falta de mim, me amavam e eu concordei," Chase explicou. Ela começou a trabalhar com a Sra. Jackson e as crianças em julho de 2012. (ABC7)

    "Aos 16 anos, o peso do mundo está sobre seus ombros", disse Chase sobre Prince Jackson, que está descobrindo as meninas e todos os desafios que a vida adulta traz. Seu irmão mais novo, de 11 anos de idade, Blanket, tem seus irmãos mais velhos para protegê-lo da dor, mas teve menos tempo para passar com o pai. "Ele nunca teve um momento em que eram pai-filho, porque ele era tão pequeno", disse Chase. A única filha do cantor parece estar tendo o momento mais difícil, Chase disse. "Era a garotinha do papai, Paris está devastada", disse Chase. "Ela está devastada e perdida." Sobre Paris, ela disse: "Ela está tentando se encontrar e descobrir quem ela é", disse Chase.(AP)

    "Eles falam muito sobre seu pai ", disse Chase. "É algo que nunca vão superar - o amor e o como eles perdem seu pai." (CNN)


    Última edição por Tay em Ter Jul 02, 2013 6:37 pm, editado 2 vez(es)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Seg Jul 01, 2013 9:15 pm

    Continuação...

    Parte AEG interrogando

    Advogada Jessica Stebbins Bina faz o interrogatório de Kai Chase. (ABC7)


    A Advogada perguntou a Chase sobre o que acontecia quando ela não era paga. Chase disse que o assistente de Jackson reassegurou que cheques dos funcionários estavam chegando. Chase disse que havia uma regra tácita na casa de que qualquer pessoa que se queixasse a Jackson sobre falta de salários seria demitida. (AP)

    Stebbins Bina também perguntou sobre suas impressões de Conrad Murray. O chef disse que ele parecia um homem agradável. Chase disse que nunca esperava que fosse Jackson morrer, ou que Murray estivesse dando a ele qualquer coisa imprópria. (AP)

    Chase disse que tanto a crianças quanto Dr. Murray levava comida lá em cima [para MJ]. Orlando Martinez, detetive do Depto. de Polícia de LA, disse que Chase levou uma bandeja de comida para MJ lá em cima, e ela disse que não era verdade, que nunca aconteceu. (ABC7)

    Bina mostra o vídeo de deposição de Paris Jackson. Ela disse que o pai não gostava de Rwaramba, ele havia dito que ela era sorrateira, não era uma pessoa honesta, que mentia muito. Paris diz no depoimento como Grace Rwamba dizia ser a esposa de MJ, quando eles estavam em quartos de hotel. Isso contradizia o que Chase testemunhou. (ABC7)


    Os advogados de Jackson, no entanto, disseram a juiza na terça-feira que Paris está indisponível para comparecer pessoalmente, pois ela ainda está sendo tratada em um hospital. A AEG Live pode usar a gravação em vídeo de seu depoimento, o que começou a fazer ontem à tarde. O primeiro clipe mostrado para os jurados foi uma resposta a uma pergunta do advogado da AEG, Marvin Putnam, sobre a ex-babá Graça Rwaramba, que foi demitida dois meses antes da morte de Jackson.(CNN)

    Bina disse que Chase nunca mencionou o incidente da escada, onde Prince teria ajudado MJ a subir para o andar de cima, para a mídia. "Eu queria generalizar, com minhas conversas com os meios de comunicação, no que dizia respeito a sua privacidade", explicou Chase. Bina mostriu o vídeoda deposição de Prince onde ele disse que ele não seria capaz de ajudar seu pai a subir para o andar de cima. (ABC7)


    Chase testemunhou que ela nunca viu MJ beber álcool ou sob a influência de drogas. Em abril, Chase disse que via Dr. Murray 2 ou 3 vezes por semana. Houve uma vez em Junho que Chase preparou o jantar para Dr. Murray, MJ e as crianças. Chase disse que às vezes ela via Dr. Murray e MJ juntos, eles tinham uma relação de amizade, as crianças pareciam gostar de Dr. Murray também. "Meu entendimento é que o Dr. Murray era o médico pessoal", explicou Chase. Chase disse que não parecia estranho que MJ tivesse um médico, talvez ele precisasse por causa dos ossos doloridos. Mas ela pensou que era estranho ter um médico todos os dias. "Era estranho que ele (Dr. Murray) estivesse lá o tempo todo," Chase opinou. (ABC7)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Ter Jul 02, 2013 6:33 pm

    Jackson x AEG - 33º Dia - 19 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art


    Família Jackson não estava na Corte. 

    Testemunho de Kai Chase.

    Parte AEG interrogando

    Stebbins Bina perguntou a Chase  se ela viu algum dos outros médicos de Jackson. Chase respondeu que não. (AP) Chase foi questionada sobre Dr. Allan Metzer e o dermatologista Arnold Klein. Ela também foi questionada sobre a enfermeira Cherilyn Lee. (AP)

    Stebbins Bina, então, perguntou a Chase por que ela não mencionou  para a polícia a reunião em que um vaso foi quebrado. (AP)

    Bina: A primeira vez que você mencionou a reunião foi em seu depoimento em outubro de 2012?

    Chase: Sim

    Nesse ponto, Bina apontou que Chase já estava trabalhando para a Sra. Jackson. (ABC7)
    Gongaware, DiLeo, Phillips, MJ e Dr. Murray estavam presentes na reunião, Chase explicou. 

    Bina: Você testemunhou que o Sr. Jackson estava usando máscara cirúrgica e camadas e camadas de roupa, correto?
    Chase: Sim (ABC7)

    Mas Bina disse que ela não mencionou a máscara cirúrgica ou camadas de roupas antes. "Eu descrevi suas emoções, sim", explicou Chase. "Você podia ver o medo em seus olhos." "Ele parecia assustado", disse Chase. "Eles não perguntaram sobre isso e eu não disse isso." (ABC7) 

    "Eu não sei por que ele usava isso, era muito estranho, ele não tinha usado isso na casa antes", disse Chase sobre a máscara cirúrgica. (Abc7)

    Chase disse que ouviu pedaços da reunião porque ela entrava na sala para encher bebidas. "Eu ouvi o que o Sr. DiLeo tinha afirmado", explicou Chase. 

    Quando Dr. Murray saiu da reunião, Chase disse que estava tão irritado e chateado, invadiu a cozinha, deixou escapar "Eu não posso lidar com isso mer ** ".  Bina perguntou se ela sabia se o motivo pelo qual Dr. Murray estava chateado era por causa da reunião. "Não, eu não sei, mas eu estava supondo que tinha a ver com a reunião, porque ele estava saindo dela", disse Chase. (ABC7)

     "Quando ele disse que 'eu estou sendo sobrecarregado, eles estão me matando', isto foi uma indicação de que ele estava cansado", explicou Chase. "Ele estava cansado, ele precisava de um descanso, uma pausa", disse Chase. (ABC7)

    Bina mostrou a deposição de Chase, onde ela disse que MJ não lhe deu qualquer indicação de que ele estivesse tentando evitar este concerto. "Ele estava animado em ir para esta turnê", disse Chase. "Eu também estava animada, por ele, pelos seus fãs, por todos", disse Chase. (ABC7)

    Chase entendeu que ela foi contratada por Michael Jackson, mas ia ser paga pela AEG Live. A chef disse que não sabia nada sobre MJ pagar a AEG volta por seu salário. (ABC7)

    Stebbins Bina, em seguida, desafiou Chase em sua afirmação de que Paris Jackson não tinha festas de aniversário desde 2009. Chase admitiu que ela não estava presente nos aniversários de Paris desde 2009, mas Paris disse a ela que não gostava de festas. Stebbins Bina perguntou sobre a festa de Paris em 2010 onde , aparentemente, tinha uma pista de patinação. Chase disse que ela estava contando o que Paris disse ela. (AP) 

    "Eu falei sobre a comida e o amor que ele tinha por seus filhos", disse Chase sobre entrevistas pagas após a morte de MJ. (ABC7)

    Em 2012, Chase foi re-contratada pela Sra. Jackson. Se falam diariamente agora, mas nunca tinham se falado antes da morte de MJ. Chase nunca a viu na casa de MJ. Chase está sendo paga pela Sra. Jackson.  (Abc7)

    Em abril de 2012, Chase recebeu uma intimação da AEG Live. Em julho de 2012, Chase foi contactado para trabalhar com a Sra. Jackson. Sandra Ribera,  advogada de Jackson, chamou Chase perguntando se ela queria voltar a trabalhar. Ribera também atuou como advogada de Chase em seu depoimento. Em outubro 2012, a deposição foi tirada. Chase não sabe quem pagou Ribera para acompanhá-la em seu depoimento. (ABC7)

    Bina: Você tem medo de que, se você não testemunhar no caminho certo neste julgamento, a Sra. Jackson demita você?
    Chase:  Não
    Bina: Será que isso nunca passou por sua cabeça?
    Chase: Não, isso é um absurdo (Abc7)

    Parte Jackson interrogando - advogada Deborah Chang.

    "Ele era o bibliotecário em Neverland e ele costumava organizar os DVDs em ordem alfabética, com seu pai," Chase testemunhou sobre Michael Amir Williams.  (ABC7)

    Quanto ao depoimento de Paris, Chase disse que sua declaração a surpreendeu. "Ela parece apenas perdida, ela parece estar apenas luto, faltando o pai". Chase: Eu sabia que ela era muito, ela era muito próxima de Grace, quando era jovem. Chase disse que Paris tem um sentimento de abandono, o que provavelmente é parte da razão pela qual ela estava com raiva de Grace. Chase disse que Grace era um grande apoio para ela, muito carinhosa, ajudou as crianças. "Eles eram apenas o melhor amigo, relação muito, muito profunda", disse Chase sobre MJ e Grace. (ABC7)

    Chase trabalhou com MJ por cerca de oito semanas, conhecia Grace há cerca de duas semanas. (ABC7)

    Parte AEG interrogando

    Bina: Há alguma razão para acreditar que Paris não era sincera quando estava depondo falando sobre sua conversa com o pai?
    Chase: Não (ABC7)

    Mostrado o vídeo de depoimento do especialista em dependência, Dr. Paul Henry Earley.

    Advogado Kavin Boyle: Era aprovado que Dr. Murray ministrasse Propofol em MJ em casa?
    Dr. Earley: Não, isso era incorreto medicamente
    Dr. Earley disse que ele não teria feito isso. "O propofol não é um agente apropriado para a indução do sono."

    Quando perguntado se ele achava que MJ tinha problema  com substâncias, Dr. Earley foi categórico: "Em 2009, ele tinha um vício, sim." "Eu acho que ele tinha claramente um vício de opioides  esta classe de drogas", disse Earley. 
    Dr. Earley: Eu não acho que há provas suficientes a partir do registro de leitura para verificar que ele era viciado em Propofol ou benzodiazepínicos. Dr. Earley: A droga principal de seu vício (MJ) era Demerol, de longe, o opioide mais comum que ele tomava. Dr. Earley: a morte de MJ não foi causada por Demerol diretamente, há uma pergunta se Demerol criou sinergia com propofol e benzodiazepínicos (ABC7)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Ter Jul 02, 2013 7:11 pm

    Jackson x AEG - 34º Dia - 20 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Katherine Jackson estava na Corte. 

    Testemunho do Dr. Charles Czeisler, especialista em distúrbio do sono.

    Parte Jackson interrogando - advogado Michael Koskoff


    O médico disse que o nosso relógio interno regula o tempo em que estamos acordados e dormindo.  Mudanças no padrão de sono regular enviam sinais confusos para o cérebro, que suprime a liberação de hormônios, Dr. Czeisler disse. Pessoas que trabalham no turno da noite têm dificuldade de dormir imediatamente quando chegam em casa, já que eles ainda estão ligados.(ABC7)

    "A regulação do metabolismo não vai bem se somos privados de sono", disse Czeisler. "Se não conseguir dormir o suficiente, ficamos com mais fome." O médico disse que se nós dormimos apenas 4 ou 5 horas por noite, usamos mais energia, mas porque estamos acordados por mais tempo, nós comemos mais e ganhamos peso. "Mesmo as células de gordura precisam dormir para metabolizar adequadamente", disse Czeisler. Dr. Czeisler disse que falta de sono aumenta o apetite, entre outras coisas. "O sono é necessário para a vida, assim como da mesma forma que comer ou beber líquidos é necessário para a vida", disse o especialista. (ABC7)

    O impacto da deficiência de sono no humor: o aumento da volatilidade emocional, dificuldade em focalizar a atenção , aumento do risco de burnout, depressão e ideação suicida, queixas somáticas, ansiedade, paranóia. "Você pode não ser capaz de manter suas emoções sob controle", explicou Dr. Czeisler.(ABC7)

    "Quando estamos dormindo, estavam passando e repassando os eventos", explicou Dr. Czeisler. "Nós estamos realmente praticando o que aprendemos." Você precisa dormir a noite depois que você aprendeu uma tarefa, a fim de absorvê-la, Dr. Czeisler disse. (ABC7)

    "A insônia é uma queixa de dificuldade ao adormecer, permanecer dormindo ou acordar muito cedo", explicou Dr. Czeisler. (ABC7)

    Dr. Czeisler: Uma vez que você está tomando pílulas para dormir por uma série de noites, agora você não consegue dormir sem elas. Seu sono fica realmente pior. Dr. Czeisler disse que a terapia cognitivo-comportamental é usada para tratar a insônia, onde um psicólogo identifica o problema.  É comprovadamente eficaz, ainda mais do que os remédios, Dr. Czeisler disse. Se é secundária à ansiedade, o médico pode considerar dar algum ansiolítico, Dr. Czeisler explicou. A fim de tratar a insônia, o primeiro passo é descobrir qual é a desordem, o Dr. Czeisler disse, distúrbio do sono é uma doença tratável. (ABC7)

    ackson pode ser o único ser humano que ficou dois meses sem REM (Rapid Eye Movement)¹ - o sono, que é vital para manter o cérebro e o corpo vivo. As 60 noites de infusões de propofol nas quais Dr. Conrad Murray disse que deu a Jackson para tratar sua insônia é algo que um especialista em sono diria que ninguém nunca tinha sofrido. Propofol perturba o ciclo normal do sono e não oferece o sono REM, no entanto, deixa uma sensação ao paciente de revigorado, como se tivessem experimentado o sono genuíno, de acordo com o Dr. Charles Czeisler. Se o cantor não tivesse morrido em 25 de junho de 2009 devido uma overdose do anestésico cirúrgico, a falta de sono REM poderia ter em breve levado sua vida de qualquer maneira, de acordo com um parecer de Czeisler. (CNN)

    Sono Genuíno: ativamente gerado pelo cérebro; atende às necessidades biológicas; redução facilmente reversível na sensação, perda prontamente reversível da consciência, pode ser facilmente despertado, ciclos entre dois estados comportamentais: REM e sono não-REM, sensível à dor (. ABC7)

    Anestésico Propofol: coma induzido, não cumpre as necessidades, apatia profunda, sem consciência, não pode ser despertado, sem sono REM, sono não REM anormal, , insensível à dor, dissipa o sono sem cumprir o que o sono precisa. (ABC7)



    ¹ O sono R.E.M., ou Rapid Eye Movement ("movimento rápido dos olhos"), é a fase do sono na qual ocorrem os sonhos mais vívidos. Durante esta fase, os olhos movem-se rapidamente e a atividade cerebral é similar àquela que se passa nas horas em que se está acordado.
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Ter Jul 02, 2013 7:37 pm

    Jackson x AEG - 35º Dia - 21 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Katherine Jackson não estava na Corte.

    Testemunho do Dr. Czeisler

    Parte Jackson interrogando


    O especialista declarou que sua revisão dos registros médicos de Jackson o convenceu de que o cantor sofria um distúrbio crônico do sono que "ficava muito exagerado", enquanto estava em turnê ou se preparando para uma turnê. (CNN)

    Dr. Charles Czeisler, que tem MD e PhD, testemunhou que o propofol traz a um "coma induzido por drogas", que é muito diferente do sono. Não só não satisfaz a necessidade do corpo em dormir, como também se dissipa na unidade de sono, levando a uma enorme deficiência sono." "Isso é o que eu acredito que aconteceu no caso do Sr. Jackson," Czeisler testemunhou. (Los Angeles Times)

    Na opinião de Dr. Czeisler a autópsia mostra o nível de propofol em MJ seria o de uma pessoa passando por uma grande cirurgia abdominal. (ABC7)

    ... o médico acredita que MJ estava mostrando sinais de privação crônica de sono. Esses sintomas incluem perda de peso, confusão, dificuldades de memória, paranóia e ansiedade. (ABC7)

    A privação de sono provavelmente era causado pelo uso do anestésico propofol, Czeisler disse, que colocava o cantor em coma induzido por drogas e não atendia a necessidade do seu corpo pelo sono real. Estudos mostraram que níveis semelhantes de privação de sono resultam na morte de animais de laboratório e provavelmente causariam a morte de um ser humano, ele disse.
    Czeisler se baseou fortemente nos resumos de depoimentos e e-mails de coreógrafos e outros profissionais que trabalharam em "This Is It" para formar sua opinião.
    "O detalhamento minucioso de sua deterioração aqui era ao mesmo tempo profundo e triste", disse Czeisler. (AP)

    A privação total de sono pode matar um rato de laboratório em 80 dias e ele disse que não sabe e espera nunca saber quanto tempo seria para um ser humano. (ABC7)

    Em sua opinião, se ele tivesse sido diagnosticado corretamente por seu distúrbio do sono, não teria interferido com sua turnê ou no futuro (Abc7)

    Finalmente, o Dr. Murray claramente não estava apto ou competente para diagnosticar ou tratar distúrbio do sono do MJ. (Abc7)

    Parte AEG Interrogando - Kathryn Cahan


    Em interrogatório, Dr. Czeisler reconheceu que a evidência mostrou que dois médicos tentaram convencer Jackson a procurar um médico especialista para o seu distúrbio do sono e ele recusou. (CBSLA)

    O médico também disse que ninguém poderia fazer MJ começar o tratamento - e nem seus filhos ou seus parceiros de negócios. (ABC7)

    O médico disse que a relação entre a anestesia e o sono é uma nova área de estudo. Muita informação saiu desde qye MJ morreu. (ABC7)

    A natureza extrema de privação de sono de Michael Jackson teria encurtado a vida do cantor, a menos que ele recebesse o tratamento adequado, Czeisler disse. Com o tratamento adequado, Jackson poderia ter continuado a turnê e se apresentar por muitos anos, ele testemunhou. (AP)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Sex Jul 05, 2013 8:23 pm

    Jackson x AEG - 36º Dia - 24 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Katherine Jackson estava na Corte.



    Vídeo da deposição do Dr. Paul Earley (continuação)

    Kevin Boyle: Você acha que o vício em Demerol causou a morte de MJ?
    Dr. Earley: Não (ABC7)

    Depois de analisar os registros médicos de MJ, Dr. Earley opinou: "Há evidências de dependência de opiáceos que remonta ao início dos anos 1990." No entanto, Dr. Earley disse que achava que não haviam dados suficientes para chegar a uma opinião conclusiva sobre MJ ser viciado em Propofol. (ABC7)

     Dr. Earley realizou um estudo com 22 indivíduos dependentes de propofol. O estudo foi financiado pela AEG Live. Dr. Earley disse que a retirada de Propofol pode causar depressão, insônia e irritabilidade.
    Dr. Earley: MJ provavelmente tinha alguma insônia base, que piorou com o uso de benzodiazepinas e propofol. "Quando você tira o Propofol, você tem insônia", explicou Dr. Earley. As pessoas podem ficar irritáveis, não tendo calafrios, alguns tiveram convulsões. (ABC7)

    Dr. Earley: Calafrios é sintoma muito genérico e pode significar qualquer coisa: gripe, resfriado, baixa de açúcar no sangue, muitas razões diferentes pelas quais as pessoas têm calafrios. (ABC7)

    Boyle: MJ tem a sua culpa por sua morte? Dr. Earley: Eu dediquei  minha carreira a cuidar de pessoas viciadas neste planeta.
    Dr. Earley: Serei fortemente contra a alguém que diga que a culpa foi do viciado.
    Dr. Earley: No entanto, isso não significa que o viciado não tenha que cuidar da recuperação, em algum momento.
    "Não, eu não acredito que seja adequado culpar o viciado," Dr. Earley expressa. (ABC7

    Dr. Gordon Matheson,  especialista chamado pelos Jacksons.


    Matheson é um especialista em médicos desportivos e conflitos de interesses. Trabalha na Universidade de Stanford, Professor na Faculdade de Medicina, medicina esportiva. Medicina esportiva é o cuidado do atleta envolvido em empreendimentos competitivos e atividade física, nutrição e saúde, Dr. Matheson explicou. (AP) (ABC7)

    Dr. Matheson disse que o conflito de interesse é a circunstância que cria os riscos de que as decisões podem ser indevidamente influenciadas por interesse secundários. "Quando alguém tem algo a ganhar, está afetando a sua tomada de decisão", explicou o Dr. Matheson. (ABC7)

    Dr. Matheson nunca trabalhou na indústria da música, mas disse que uma das relações mais óbvias entre esportes / músicos é o cenário. "Eu acho que o desempenho do Sr. Jackson era muito físico, semelhante ao que um atleta faz", Dr. Matheson expressa. (ABC7)

    Ele disse que Dr. Murray contratado pela AEG Live, parece que havia um conflito de interesses em seus cuidados com Michael Jackson. Parte desse conflito foi criado pelas dívidas de Murray e seus esperados US$ 150k/mês. Pagamento. Outra fonte de conflito foi o seu contrato com a AEG. Matheson disse  que se o contrato de permissão para os serviços de Murray fosse encerrado e se a turnê fosse adiada ou cancelado, isso era um conflito.  (AP)

    "É muito dinheiro a ser pago a um médico, principalmente um médico que estava profundamente endividado," Dr. Matheson testemunhou. "Eu acho que Dr. Murray precisava ser pago com certa quantia de dinheiro, pois ele devia muito dinheiro", disse Matheson. (ABC7)

    Depois de rever depoimentos e provas no caso, Matheson concluiu que a AEG Live criou um conflito de interesses, pois o contrato foi negociado com Murray para servir como médico pessoal de Jackson por US $ 150.000 por mês. (CNN)


    "Quando os médicos assumem papéis, você quer que eles tomem decisões médicas independentes de interesses secundários", explicou o Dr. Matheson. (ABC7)

    "Se MJ não fosse capaz de ensaiar ou se apresentar, o show iria parar completamente", disse Matheson. Bloss (advogado de Jackson): Qual o impacto que isso teria sobre o Dr. Murray? Dr. Matheson: Ele não teria um emprego e ele não teria um rendimento. (ABC7)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Sex Jul 12, 2013 6:35 pm

    Jackson x AEG - 37º Dia - 25 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Katherine Jackson estava na Corte. 

    Fonte: ABC7

    Testemunho de Dr. Gordon Matheson

    Parte Jackson interroga

    Bloss pergunta sobre o e-mail de Phillips para Ortega em 20 de junho. Phillips estava reconhecendo o declínio da saúde de Michael Jackson, Dr. Matheson opinou. "É também evidente que há questões de conflito de interesses", Dr. Matheson expressa. Sobre Phillips dizendo "O médico é bem sucedido, completamente imparcial. 

    Dr. Matheson - "Em primeiro lugar, queremos uma compreensão de qual é o problema.  Isso é o que nos leva ao tratamento adequado "Dr. Matheson disse que Phillips estava tentando diagnosticar o problema, mas Jackson estava sendo colocado de volta no ensaio, isso é uma preocupação. 

    Quanto ao email "Problema em frente" onde Phillips diz que Dr. Murray "não é um psiquiatra, então eu não sei o quão eficaz ele pode ser ..." Dr. Matheson: Diz que Phillips não está certo, a primeira diz que é protegido, em seguida, ele questiona a eficácia médica. 
    Dr. Matheson disse que Phillips estendeu informações sobre um problema de saúde com o MJ, qualificado por Ortega como histeria. Dr. Matheson : Quando você obtém informações, é preciso agir com base nessa informação, em vez de rotulá-la como histeria.

    Bloss: Será que o fato de que a AEG contratou Dr. Murray a pedido do MJ faz diferença?
    Dr. Matheson: A AEG decidiu criar essa estrutura e eles não tinham que fazer isso.

    Dr. Matheson: Embora esperamos que todos os profissionais atuem para o melhor interesse do paciente, seu julgamento é freqüentemente afetado.


    Parte AEG interroga -  advogada Jessica Stebbins Bina

    Bina: Em geral, um homem de 50 anos é competente para escolher seu médico pessoal?
    Dr. Matheson: Sim

    Bina: Era Dr. Murray quem estava indo tratar MJ e família, não Kenny Ortega ou outros na turnê?
    Dr. Matheson: Sim

    Bina: Você disse que é responsabilidade do sistema, mas é responsabilidade do médico colocar o bem-estar dos pacientes em primeiro lugar?
    Dr. Matheson: Sim

    Bina: Se MJ pediu propofol, implorou, Dr. Murray violou seus deveres? Supondo que ele fez isso, ele violou  seus deveres?
    Dr. Matheson: Sim


    Bina perguntou se MJ disse a AEG que ele gostaria de trazer o seu médico pessoal na turnê, o quea AEG deveria ter feito. Dr. Matheson: A AEG deveria ter dito que não eram especialistas em cuidados médicos assim  queremos obter especialistas em cuidados médicos para fazer uma avaliação.


    Dr. Matheson disse que não estava ciente de quaisquer esforços para enviar minutas do contrato do Dr. Murray ao pessoal de MJ. "Isso me diz que o acordo estava sendo construído e negociado sem a participação do Sr. Jackson," Dr. Matheson opinou.

    Quanto ao Dr. Murray comprar Propofol, Dr. Matheson disse: "Eu acho que a AEG Live possibilitou isso, sim."
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Sex Jul 12, 2013 7:10 pm

    Jackson x AEG - 38º Dia - 26 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Prince chegou com Katherine, TJ e Trent Jackson.

    Testemunho de Michael Jackson Jr. 



     



    Advogado de Jackson interrogando 

    Ele falou baixinho quando começou a testemunhar, a primeira exposição mostrada aos jurados foi uma foto tirada da avó com ele e Paris no primeiro dia de aula. Ele descreveu a sua vida escolar, inclusive fazendo um curso de verão sobre a História dos EUA, participando da equipe de robótica da escola e trabalho voluntário. (AP) 

    Os primeiros 15 minutos de depoimentos de Prince Jackson foram dominados por fotos de família, vídeos. Ele disse que ajudou a escolhê-las para julgamento. (AP)


    Prince foi originalmente nomeado "Michael Joseph Jackson, Jr." após o nome da família, mas, em seguida, seu irmão Blanket nasceu e eles o chamaram de Prince. (ABC7)

    Ele disse que nasceu em 13 de fevereiro de 1997, ele tem 16 anos. Prince nasceu no Cedars Sinai Hospital. Prince, disse que Paris, de15 anos, nasceu em 03 de abril de 1998. Prince Michael Joseph Jackson, conhecido como Blanket, nasceu em 21 de fevereiro de 2001, ele tem 11 anos. (ABC7)

     Ele descreveu sobre crescer em Neverland Ranch e mostrou vídeos do zoológicos da propriedade e outras amenidades. Após a absolvição de acusações de abuso sexual infantil de seu pai, Prince descreveu que viveram no Oriente Médio, na Irlanda e em Las Vegas. (AP)

    Outra imagem mostrada para os jurados foi Michael Jackson tocando piano com seu filho enquanto Prince ainda era um bebê. O advogado Brian Panish perguntou se ele estava interessado em prosseguir uma carreira na música. "Eu nunca toquei um instrumento musical e eu definitivamente não posso cantar", disse Prince ao riso do júri. (AP)

    Neverland é uma propriedade que seu pai era dono e Prince viveu lá até os 6 anos de idade. "Depois do processo criminal houve algumas complicações com os policiais na casa, eu acho que eles arruinaram a casa para ele" Prince testemunhou. Sobre Neverland, Prince explicou: "Quando meu pai comprou a casa, ele construiu para os filhos que queria ter, ele construiu para nós." Prince disse que Neverland era uma casa de família, que todo mundo era da família, da governanta a babá. Ele disse que tinha parque de diversões e zoológico. 

    "Nós só fomos lá (ao parque de diversões e zoológico) para ocasiões especiais, porque meu pai queria que permanecessemos humilde", disse o Prince. (ABC7) 


    Prince disse MJ adorava fazer filmes deles. Panish mostrou vários vídeos caseiros e fotos dos filhos e Michael. MJ escreveu a canção "The Lost Children" para seus filhos, Panish mostrou vídeos da canção. (ABC7)

    Prince disse que depois de Neverland, eles viajaram um pouco: foram para Bahrain, Irlanda, Dubai, Aspen e Nova York um pouco, e depois para Las Vegas. "Meu pai tinha muitos negócios, não apenas música, e ele queria nos levar, ele não queria nos deixar", declarou Prince. A babá mudou ao longo do tempo, mas na maioria  da vezes era Grace Rwamba, Prince disse. (ABC7)

    continua...
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Ter Jul 16, 2013 9:21 pm

     Continuação... 


    Prince: Nós escrevemos muitos roteiros, meu pai me ensinou como escrever scripts, me ajudou a desbloquear o pensamento com o lado direito do meu cérebro. Prince descreveu a primeira vez em que ele e MJ assistiram filme sem som para aprender a encontrar os bons tiros. "Vimos o som depois e ele mostraria como o som pode realmente fazer ou quebrar o filme", ​​disse Prince. (ABC7) Ele descreveu o seu interesse pelo cinema como algo que ele e seu pai compartilhavam.  (AP)

    Os jurados assistiram um vídeo caseiro de Michael Jackson questionando seus três filhos sobre como eles planejam "mudar o mundo" quando crescerem. Prince testemunhou que o vídeo foi feito no Natal.

    Prince disse ao seu pai que ele aspirava a ser um diretor de cinema e arquiteto, porque ele gostava de "fazer as coisas". [CNN]


    Panish perguntou se Prince descreveria seu pai como "preguiçoso". "Eu não acho que ele já sentou e não fez nada, estávamos sempre correndo, nos exercitando, ele iria me ensinar a dirigir", respondeu Prince. (ABC7)

    Prince disse que ele realmente não sabia o quão famoso seu pai era até assistir um filme do concerto de MJ com as meninas chorando, retiradas em macas. "Nós sempre ouvimos sua música, mas nunca soubemos o quão famoso ele era", disse Prince. (ABC7) 

    Panish: Seu pai era protetor? Prince: Muito (ABC7)
    Seu pai, ele testemunhou, fezia com que todos usassem máscaras em público "para que ninguém soubesse como pareciam, se saíamos sem ele, poderíamos ter uma infância normal." Prince disse que ele está agora sendo seguido o tempo todo. "Então, eu sei porque ele fez isso. (Los Angeles Times) "Quando eu era pequeno, as máscaras eram irritantes", disse ele. "Era quente e as penas estavam sempre no meu rosto, mas agora que sou mais velho, eu entendo por que ele fez isso. "(Today)

    Prince foi questionado algumas vezes sobre Paris. Ele disse que ela estava tendo um momento difícil. Ele foi questionado sobre o vpideo de deposição de Paris, que foi mostrado no início do julgamento em que ela contou uma história sobre a babá Grace Rwaramba. Prince disse que viu Grace e Paris juntas recentemente. "Eles estavam felizes", disse ele. (AP)

     Panish mostrou um vídeo do Natal, quando as crianças ganharam o seu cão Labrador chamado Quênia. 
    Panish: Como você se sentiu depois? Prince: Muito feliz. Panish: Como você se sentia quando você, seu irmão, irmã e pai viviam em Vegas? Prince: Estava feliz para nós. Prince disse que eles viviam em um hotel antes de ir para Carolwood antes do Natal de 2008. (ABC7)



    Prince, em seguida, descreveu os sentimentos de seu pai em relação a "This Is It" tour. Ele disse que não estava satisfeito com os termos. Prince disse que seu pai estava animado sobre a realização de "This Is It", mas queria mais tempo para ensaiar. Michael Jackson estava animado com a perspectiva de se apresentar para seus filhos, e sabia que provavelmente seria sua última turnê, Prince disse. (AP)

    Prince viu MJ ao telefone. Na maioria das vezes, era com Randy Phillips ou Dr. Tohme. "Ele desligava o telefone, e choraria às vezes", disse Prince. "Ele (MJ) disse", eles vão me matar, eles vão me matar ", Prince declarou, referindo-se principalmente à AEG, Randy Phillips, e Tohme. (ABC7) 

    "Meu pai não brigou, ele era como minha avó, muito gentil para brigar, é por isso que ele chamou meu avô", disse Prince. (ABC7)

    Prince: Quando, no Bel Air Hotel, meu pai tentou demitir Dr. Tohme. Ele entrou em uma briga ao telefone, gritou. Prince: Nós o aplaudimos, não gostávamos de estar ao redor dele (Dr. Tohme), ele trouxe energia ruim para nós. 
    (ABC7)

    Prince disse que conheceu Dr. Conrad Murray em Las Vegas. "Ele veio para a nossa casa para nos tratar por várias doença, resfriado e coisas assim." 
    Prince disse que se lembra de Cherilyn Lee entrando na casa para dar intravenosas em seu pai. Ele disse que achava que eram vitaminas. 
    "Dr. Murray veio todos os dias, exceto no domingo à noite. Ele passava as noites", disse Prince. "Eu o vi dar ao meu pai injeção IV uma vez, eu pensei que eram vitaminas", Prince lembrou sobre o Dr. Murray. Prince disse que quando o Dr. Murray começou a tratar MJ, o fazia na biblioteca, e mais tarde, no quarto principal no andar de cima. (ABC7)



    Prince, em seguida, testemunhou sobre a mansão de Carrolwood. Ele disse que uma vez tentou entrar no quarto de seu pai e estava trancado. Seu pai estava fazendo uma sessão de meditação no Skype, disse ele. (AP) "Quando eu tentei entrar,acho que ele estava meditando ao Skype com uma pessoa da Índia" (ABC7)

    Prince disse que viu bolsas IV e tanques de oxigênio na casa. 
    Panish: Você acha que era estranho ter os tanques de oxigênio?
    Prince: Não, eu tinha 12 anos e meu entendimento era de que ele (Dr. Murray) tinha certeza de que meu pai ficaria saudável. (ABC7)

    Prince disse que seu pai  lhes deu algumas centenas de dólares, ocasionalmente, para dar a Murray. Murray não pegava o dinheiro diretamente de Michael Jackson, Prince disse. Ele disse que o médico só pegava metade. (AP)

    Prince disse que viu Phillips falar com Murray duas vezes. Ele descreveu uma reunião tensa em que Phillips parecia "agressivo" pegou Murray pelo cotovelo. Prince disse que não podia se lembrar exatamente o que ele testemunhou na noite desta reunião tensa entre Phillips e Murray. Ele disse que achava que tinha visto Phillips, na noite de 24 junho de 2009, mas não se lembrava da data exata. (AP)

    Prince disse que viu MJ no dia antes de morrer. A última conversa telefônica foi quando ele ligou para seu pai para dizer que Randy Phillips estava na casa. (ABC7)

    continua... 
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Qua Jul 17, 2013 11:38 am

    Ele, em seguida, falou sobre o dia em que seu pai morreu. Ele disse que ouviu gritos no andar de cima e passos na escada. Prince disse que foi ver o que estava acontecendo e viu Murray correndo de volta para cima, em seguida, foi dito por Kai Chase que médico precisava dele. O guarda-costas Alberto Alvarez correu para dentro da casa e Prince disse que correu para cima. "Eu vi o Dr. Conrad fazendo RCP sobre meu pai", disse Prince. 
    Paris Jackson estava gritando por seu pai, Prince disse. Ele disse que estava chorando enquanto tudo isso estava acontecendo. Ele disse que na viagem para o hospital, tentou tranquilizar Paris e Blanket, dizendo que os anjos estavam assistindo. Prince disse que a frase sobre anjos que olham por eles era algo que seu pai costumava dizer. Os olhos de Prince  estavam vermelhos quando  testemunhou sobre 25 junho de 2009. Ele não chorou. Ele manteve a compostura durante todo este testemunho. Prince disse que estava otimista sobre o que aconteceria com seu pai, até que Conrad Murray entrou e disse-lhes que ele estava morto. Prince lembra de Murray dizendo-lhe, a Paris e Blanket algo no sentido de "Desculpe, seu pai está morto." O empresário de Michael Jackson, Frank Dileo, também estava no hospital, Prince lembrou. (AP)

    Prince foi então questionado sobre o memorial em que as crianças apareceram e Paris fez um discurso emocionado sobre o pai. Prince disse que o discurso de Paris foi improvisado. "Ela só pegou o microfone e começou a falar", disse ele. (AP)

    Panish perguntou a Prince sobre o impacto da morte de seu pai em sua vida. "Nada jamais será o mesmo", disse Prince. Ele disse que tem dificuldade para dormir. Ele disse que a morte de seu pai abateu especialmente Paris. "Ela era a princesa do meu pai", disse ele. Ele disse que ele e Paris não comemoram aniversários mais. Eles "não eram os mesmos sem ele", disse ele. Quanto ao Blanket, Prince disse que não tem certeza de que ele sabe o que está perdido. Ele disse que está fazendo o melhor que pode como uma família. Panish perguntou: "Você sente muito a falta de seu pai?" Prince: "Sim". (AP)

    Depois de MJ morreu: "Eu não consigo dormir à noite, tenho dificuldades para dormir", disse Prince. "Por um tempo, fiquei emocionalmente distante de muitas pessoas". Prince disse que desejava que seu pai estava com ele no primeiro dia de aula, falasse sobre sua primeira namorada, o visse dirigindo, visse seus prêmios e honras. 

    Prince: Eu acho que de meus irmãos, ela (Paris) foi a mais atingida, ela era a princesinha do meu pai. Ela está lidando com isso do seu próprio jeito. 

    Prince: Blanket era tão jovem, meu irmão ainda está crescendo como eu sou, ele não tem um pai para lhe dizer o que é certo e errado. "Nós temos alguém, mas não é a mesma coisa", disse Prince.  (ABC7)

    AEG interroga

    Interrogatório do advogado da AEG, Marvin Putnam, durou apenas 25 minutos. Foi centrado na tentativa de desacreditar o  testemunho sobre a visita de Phillips na  casa e sobre os pagamentos em dinheiro que Prince disse que seu pai deu a Murray por vezes. (CNN)

    Putnam perguntou por que o próprio MJ não deu o dinheiro Dr. Murray. "Meu pai tentou, mas ele nunca pegava o dinheiro", disse Prince. "Eu vi meu pai oferecer dinheiro para ele, mas ele nunca pegou", explicou. 

    "Eu não acho que o Dr. Murray queria pegar o dinheiro do meu pai e ele se sentia mal", disse Prince. "Eu e minha irmã fazíamos isso", ele se lembra de um par de vezes. 
    Prince disse que MJ começou a dar a Prince e Paris  o dinheiro para dar ao Dr. Murray, enquanto eles estavam vivendo em Las Vegas. (ABC7) 

     Prince disse que viu Murray e Phillips conversarem duas vezes. Ele não se lembra de datas, mas acha que o segundo encontro foi um dia antes de MJ morrer. (ABC7) Prince manteve sua história sobre o encontro de Phillips e Murray, embora ele admitiu que poderia ter sido duas noites antes da morte de seu pai e não na última noite. (CNN)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Qua Jul 17, 2013 11:26 pm

    Jackson x AEG - 39º Dia - 27 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Katherine, TJ and Taj Jackson estão na Corte.

    Testemunho de TJ Jackson

    Advogado de Jackson interroga

    TJ Jackson é primo das crianças e co-tutor. O advogado Kevin Boyle irá interrogar. 

    "Minhas prioridades são meus filhos, meus primos e minha família", disse TJ.

    TJ não vai a Calasabas, onde as crianças vivem, durante a hora do rush.. Às vezes ele fica lá por seis dias seguidos, às vezes uma vez por semana. (ABC7)

    Minha mãe foi assassinada um mês depois de eu completar 16 anos. Meu mundo desmoronou e meu tio Michael salvou" "Ele apenas estava, ele estava lá. Ele continuou a me inspirar, ele me manteve ambicioso, ele apenas estava lá para mim, "TJ explicou sobre Michael Jackson. Ele disse que foi criado por seus irmãos, pai e quando ele precisava de conselhos, se voltava para seu tio Michael. (ABC7)

    TJ disse que ele está ensinando as crianças de MJ a serem ambiciosos, generosos, amorosos, honestos e deixarem sua marca no mundo. (ABC7)

    "Meu tio era o tipo de pessoa que ele nos daria algum dinheiro", TJ testemunhou. "Ele sempre deu algumas centenas de dólares para mim, meus irmãos e praticamente para quem estava por perto", disse TJ. "Ele levava em  áreas com pessoas pobres e doava notas de cem dólares para que as pessoas tornassem suas vidas um pouco melhor", disse TJ. Quanto as instituições de caridade de MJ, TJ disse que ele conhece sobre "Heal the World". Ele disse que MJ visitou hospitais em todo o mundo, trabalhou com a "Make a Wish". "Ele estava doando muito de seu tempo, tudo que ajudasse a colocar um sorriso no rosto das crianças", explica TJ. (ABC7)

    "Minha avó é a rainha", TJ testemunhou. "Ela é a CEO e eu a ajudo com as coisas do dia-a-dia (sobre a co-tutela) tanto quanto eu puder."   "Por causa de quem eles são, isso exige uma grande quantidade de tempo e energia", explicou TJ, dizendo que não é culpa das crianças, mas de seu status de alto perfil.
    TJ: A vovó é a supervisora, ela sabe tudo o que acontece, ela está lá todos os dias,  toma as decisões. "Se eles querem sair, é o filme que eles pedem a avó," TJ declarou. "Ela é a única a ser elogiada, sua vida mudou um pouco também", disse TJ sobre a avó Katherine.

    Sobre Prince, ele disse que é "equilibrado e ambicioso" e é extremamente inteligente, lê muitos livros. "Eu só acho que a perda do meu tio bateu em um nível diferente", disse TJ sobre Paris. TJ ,em seguida, descreveu  o relacionamento de Paris com o pai. Ele a descreveu como uma filhinha do papai que está lutando com a perda de seu pai. Ele disse que sempre pensoi que Prince era o "pequeno ajudante" de seu tio. Blanket estava sempre envolto na perna de seu pai, TJ lembrou. (AP)

    TJ falou sobre os paparazzis. "É um aborrecimento completo, é horrível, eu sinto que deveria haver alguma coisa." Ele concorda com a tentativa de Halle Berry em criar uma lei impedindo paparazzis de perseguir crianças. TJ disse que apoia 100%. (ABC7)

    Blanket, que tinha 7 anos quando seu pai morreu, "estava sempre enrolado em sua perna, muito tímido", TJ Jackson disse. "Onde quer que meu tio estivesse, Blanket estava a um pé de distância, meu tio era tudo para Blanket." (CNN)

    TJ ouviu pela primeira vez sobre Dr. Murray após a morte de MJ.

    Jessica Stebbins Bina fez o interrogatório do TJ, em nome da AEG.


    Suas primeiras perguntas antes da pausa para o almoço foram sobre a ausência de Katherine Jackson no ano passado. Stebbins Bina perguntou se ele estava ciente de quaisquer problemas de saúde de Katherine Jackson que a tivessem levado a se distanciar por um tempo. TJ disse que tinha ouvido falar sobre Katherine Jackson a ter problemas de saúde, mas ele não estava ciente de qualquer que ela realmente tenha. (AP)

    Bina perguntou sobre o pedido de TJ por salário para ser co-responsável pelos filhos de MJ ."Foi difícil para mim aceitar isso, minha avó insistiu e um par de meses atrás eu comecei a receber", disse TJ. (ABC7)

    TJ testemunhou que ele estava familiarizado com o Dr. Metzger. Ele disse que não tinha ouvido falar da droga Propofol antes da morte de MJ. "Eu ouvi muitos rumores sobre o meu tio que não eram verdade," TJ declarou. (ABC7)

    TJ disse que não acreditava que MJ tinha um problema de abuso de substâncias, nunca o vi tomar pílulas.

    Bina: É difícil para você acreditar que ele poderia ter morrido de overdose de drogas? TJ: É difícil para mim saber que ele está morto.

    Bina: Você acredita que seu tio foi assassinado? TJ: Eu acredito.

    Stebbins Bina, então, perguntou a TJ se ele acreditava que seu tio Michael foi assassinado. "Eu acredito", TJ respondeu. Michael Jackson disse a TJ e seus irmãos algumas vezes que ele pensou que ele seria assassinado, disse ele. Ele disse que não acreditou em um primeiro momento. "Minha mãe foi assassinada por dinheiro", disse TJ. (AP)

    Testemunho de Taj Jackson

    Deborah Chang, advogada de Jackson, interrogou Taj, cujo nome verdadeiro é Toriano Jackson e tem 39 anos.


    Taj disse que era próximo de MJ. "Meu tio, além de ser o meu modelo musical, ele era como um irmão mais velho para nós", explicou Taj. "Ele guiou nossas vidas, ele era tudo", disse Taj sobre MJ. "Sinto-me perdido algumas vezes porque ele não está aqui." "Quando minha mãe faleceu, ele entrou em cena e fez com que todo o nosso mundo não desmoronasse", disse TJ sobre MJ. MJ nos ajudou com a escola, disse Taj, pagou a faculdade. Ele encorajou seu sobrinho a fazer isto por sua mãe, para deixa-la orgulhosa. Taj disse que sua mãe e seu pai eram muito apaixonados, mas separados. "Eles se amavam, eu nunca entendi o problema." "Minha mãe realmente olhou para o meu tio, inclinou-se sobre ele", declarou Taj. "Ele amava o jeito que ela nos criou." "Era sabido que ela nos colocava em primeiro lugar", disse Taj. Dolores (DeeDee) Jackson era o nome da mãe do Taj. (ABC7)

    Taj disse que ficou em Neverland várias vezes. "Meu tio não os comia doces, que eram para as crianças doentes que ele trazia para Neverland", explicou o Taj. Taj disse que MJ levara centenas de pessoas da "Make A Wish Foundation". "Ele queria torná-los melhor, ele sentiu que podia." Ryan White tornou-se o garoto-propaganda sobre o HIV / AIDS, Taj disse. Isso foi durante o tempo em que estávamos todos com medo sobre isso,. Ryan foi expulso da escola. "Eles tinham uma relação muito forte", disse Taj, explicando que MJ levou Ryan para Neverland, e entrou na piscina com ele. "Era Disneyland," Taj disse sobre Neverland. (ABC7)

    Taj: Michael nos ensinou que ser músico e ter a influência não só para fazer música, mas para fazer uma mudança no mundo. "Ele estava constantemente tentando ajudar as pessoas," Taj disse, acrescentando que havia um monte de coisas que a mídia não sabia sobre MJ. (ABC7)

    "Eu fui o primeiro Jackson a ir para a faculdade, ele estava tão orgulhoso disso", disse Taj. (ABC7)

    Taj disse ele partilhou três coisas com MJ: Música, Cinema e os Três Patetas, que Michael amava. "Ele me comprei minha primeira câmera", disse Taj. Ele atirou vídeo caseiro de sua mãe e irmãos, enquanto ela ainda estava viva em 1994. "Eu mantenho minhas coisas mais sentimental no meu cofre", Taj explicou sobre uma nota que ele tem de MJ. Nota: Taj, eu vi isso e pensei que eles eram perfeitos para você. O amor sempre, tio Doo Doo (Abc7)

    Taj disse que ele viveu em Neverland por 6 meses. Ele disse que sua avó estava lá o tempo todo. (ABC7)

    Taj disse que MJ pediu-lhe para ajudar a criar os filhos. Taj disse que estava prestes començando com o 3T e MJ entendeu. Taj se tornou a pessoa encarregada de armazenamento e pertences de MJ. (ABC7)

    Chang perguntou a Taj quem era o mentor de MJ: "Definitivamente, minha avó, ele me dizia isso, você podia ver, sentir isso," Taj respondeu. "Minha mãe era minha mentora e a orientadora da minha mãe era a minha avó", disse Taj. "Eles dividiram o pureza em seu coração", explicou o Taj. "Minha avó era a bússola na vida do meu tio ", disse Taj. "Ele estava constantemente tentando deixá-la orgulhosa." (ABC7)

    "Quando você perde um pai, sua vida nunca mais é a mesma," Taj expressa. Ele disse que dói, especialmente durante momentos marcantes de sua vida. "Eu me casei," Taj disse, chorando. "E minha mãe não estava lá." Taj disse ao júri que escolheu casar em Hayvenhurst porque era o lugar onde sua mãe e seu tio estariam. Taj se casaou em 16 de junho. Ele disse que tinha um vaso com uma vela acesa para sua mãe. Taj disse que ele e seus irmãos, escreveram a canção "Everything" em Hayvenhurst. Katherine enxuga os olhos. (ABC7)

    avatar
    Vall
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 575
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 50
    Localização : Mundo de Michael Jackson

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Vall em Sex Jul 19, 2013 9:09 pm

    Lendo tudo isso fico muito sentida com o sofrimento das crianças, acho que nem o tempo poderá curar isso...  Michael era fundamental para eles.. tudo muito doloroso.. imagino como não foi para eles.. e serem obrigados a reviver tudo isso nesse julgamento.
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Sab Jul 20, 2013 1:08 am

    Jackson x AEG - 40º Dia - 28 de junho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art


    Katherine não estava na Corte.

    Testemunho de Karen Faye

    O advogado da AEG, Marvin S. Putnam, está conduzindo o interrogatório.

    Faye testemunhou 7 semanas atrás, em 10 de maio. Putnam perguntou se Faye tinha revisto seu depoimento no julgamento. Ela disse que não tinha.  (AP)

    Putnam perguntou a Faye sobre suas interações com Michael Jackson após sua absolvição no caso de abuso infantil. (AP)

    Ela disse que conversou com ele a cada poucos meses, mas não o viu novamente até abril de 2009. (AP) Faye disse que ela descobriu sobre "This is It" no noticiário. Ela não estava surpresa, MJ tinha mencionado que tinha projetos. Faye disse que recebeu um telefonema de Michael Amir em meados de março, dizendo que ele era o assistente de MJ, Michael queria que ela fosse na turnê com ele. (ABC7)

    Ao ver  a conferência de imprensa de Jackson. anunciando os shows em Londres, Faye disse, "Eu apenas pensei que ele tinha uma péssima peruca, senhor." Faye disse que pensou que a peruca era muito grande. Putnam perguntou a ela sobre o comportamento de Jackson. Ela respondeu: "Eu pensei que o seu comportamento era um pouco estranho, mas não era fora do comum." (AP)

    Faye disse que encontrou algumas mensagens de texto referentes ao período, dois dias antes da morte de MJ. Faye disse que ela nem sabia que ainda tinha o telefone. Ela disse que olhou para os textos para lembrar datas, enviando-os aos réus hoje.  (ABC7)

    Faye. "Eu senti a programação era muito difícil para ele manter"

    Putnam: Você não viu MJ por 4 anos e pensou que era um problema?
    Faye: Eu disse que poderia ser problema, eu não disse que era definitivo (ABC7)

    Ela diz que o cantor parecia surpreso com os 50 shows. Faye lembrou de Jackson dizendo-lhe: "Começou como 10 shows e então eu acordei e eram 50."

    Faye foi então perguntada sobre a empregada da família Jackson, Grace Rwaramba e seu papel durante o julgamento do abuso sexual. Ela disse que achava que Jackson estava melhor quando Grace não estava vivendo no rancho Neverland durante o julgamento. (AP)  "Eu realmente, realmente amoi Grace quando a conheci", disse Faye.  "À medida que suas responsabilidades cresceram, ela meio que ficou no caminho, parece que ela sempre tentava me manter longe de Michael", disse Faye sobre Grace. "Michael parecia ter mais dificuldade quando Grace era trazida de volta à Neverland", Faye disse, referindo-se ao tempo de julgamento criminal.  (ABC7)

    Faye disse que precisava de, provavelmente, cinco perucas, cada uma custando US$ 3.500. Ela disse que foi um longo processo para tê-las prontas, as reservas necessárias para a emergência. "Significava que Michael não queria que ninguém soubesse que ele usava uma peruca", disse Faye. Faye pediu que o recibo da peruca fosse o mais discreto possível. (ABC7)

    Faye não se lembra de quantas vezes por semana viu MJ de março a junho. No primeiro período de ensaios, Faye disse que ele parecia bem. "Em comparação com o que eu conhecia dele, estava um pouco diferente, não posso dizer que era exatamente como costumava ser", disse Faye. "Eu percebi  algumas coisas físicas que eram estranhas", Fayed lembrou. "Sua magreza ainda estava me incomodando", Faye testemunhou. Faye disse que ela estava tão preocupada que trouxe um antigo cozinheiro de MJ, que tinha um restaurante próximo, para trazer-lhe comida. (ABC7)

    Putnam: Será que Randy Phillips pressionou  para ter MJ no palco?
    Faye: Não.
    Putnam: Será que Paul Gongaware pressionou  para ter MJ no palco?
    Faye: Não.
    Putnam: Será que Randy Phillips já instruiu pessoalmente para nunca ouvir MJ?
    Faye: Não.
    Putnam: Será que Paul Gongaware já instruiu pessoalmente para nunca ouvir MJ?
    Faye: Não.
    Putnam: Alguma vez você observou Randy Phillips dizer a alguém para ter MJ no palco para ensaiar?
    Faye: Ele me disse que queria construir um muro em torno de Michael para que ele não quisesse fazer nada além de chegar ao ensaio.

    Faye disse que estava extremamente preocupada com a saúde de MJ em 19 de junho. "Eu estava muito preocupada durante este período de tempo, eu estava muito, muito assustada", explicou Faye. Ela disse que tinha pensamentos horríveis. "Eu fiz um telefonema para o segurança, Alberto Alvarez, no sábado, e pediu-lhe para assistir MJ muito perto, que eu estava preocupada", Faye testemunhou. Faye disse que Alvarez não quis ficar ao telefone, tinha que ir e desligou. Faye disse que não teve a oportunidade de falar com alguém no dia 22 de junho sobre MJ e ela não queria perguntar as crianças. (ABC7)

    Putnam perguntou se Faye e MJ se conheciam bem. Faye disse que achava que sim. Faye disse que MJ acreditava em médicos e que onde quer que eles prescrevessem, ele pensava que estava bem. Faye disse que a primeira vez que ela ouviu falar sobre Propofol foi depois que MJ morreu. Ela ficou surpresa com isso. (ABC7)

    Faye testemunhou sobre dois e-mails que enviou ao gerente de Jackson, Frank Dileo, nos cinco dias antes da morte do cantor sobre sua saúde que estava se deteriorando. Em uma das mensagens, Faye advertiu Dileo que ele e Randy Phillips poderiam tornarem-se "vilões" ou "vítimas financeiras"  se Jackson morresse durante a preparação ou execução de "This Is It". Faye disse que adotou um tom terrível nas mensagens porque sentia que as preocupações anteriores sobre a saúde de Jackson tinham sido ignoradas.Ela disse aos jurados que ela estava preocupada que os homens "poderiam ser os responsáveis ​​por isso de alguma forma. Apenas como onde estamos agora", disse ela, referindo-se ao processo civil em curso de Katherine Jackson contra AEG Live. (AP)

    Panish, advogado de Jackson interroga


    Panish: Você acha que MJ precisava de assistência médica naquela época?
    Faye: Absolutamente

    "Ele não estava em boa forma física em 19 de junho", disse Faye. (ABC7)

    Panish: Com quem você negociou o seu contrato?
    Faye: AEG Live (ABC7)

    "Ele foi queimado há muito tempo, teve danos ao couro cabeludo", disse Faye sobre MJ precisar de peruca. "Ele teve queimaduras de primeiro, segundo e terceiro grau." (ABC7)

    MJ foi para ensaio em 18 de junho, mas chegou tarde, Faye disse. Ortega estava muito irritado porque Michael estava atrasado para o ensaio. Faye disse que MJ estava com medo, paranoico, pressão sobre as duas últimas semanas de sua vida.  (ABC7)
    avatar
    Vall
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 575
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 50
    Localização : Mundo de Michael Jackson

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Vall em Sab Jul 20, 2013 2:03 pm

    Jackson x AEG - 41º Dia - 01 de julho de 2013

    Tradução: Vall, para o fórum MJ Art

    Katherine Jackson não se encontra na corte.

    Jean Seawright, consultora de REcursos Humanos


    Brian Panish, questiona Jean Seawright, consultora de Recursos Humanos.
    Ela tem sua própria empresa, ajuda os clientes a encontrar, contratar, treinar, remunerar, demitir funcionarios; basicamente agencia toda a parte  referente a questões empregatícias.
    Ela tem clientes em várias linhas de negócios: controle de pragas, escritórios de advocacia, restaurantes, concessionárias de veículos, hospitais, etc Seawright tem bacharelado em Química, éconsultora na área de RH há 25 anos, orientando os proprietários e gerentes das práticas de recursos humanos.
    (ABC7) Seawright tem sua própria empresa de consultoria de RH com sede na Flórida, mas tem clientes em diferentes localidades,  Seawright disse que há vários tipos de verificação de antecedentes, inclusive condução, criminal, de crédito e verificação de segurança social.
    O custo varia dependendo do tipo de serviço para o qual será contratada
    Ela testemunhou em cerca de 16 processos judiciais, incluindo um em que um empregado matou um supervisor . O trabalhador tinha uma condenação por homicídio anterior, mas nenhuma verificação de antecedentes tinha sido feito. 
    (ABC7) Seawright nunca trabalhou na área de entretenimento, mas disse que está apta para testemunhar os princípios de RH são os mesmos.
    (ABC7) Ela disse que seu objetivo é contratar os trabalhadores que estão aptos para o cargo e não colocar a empresa ou a si propria em risco. Ela não diferencia contratantes independentes e funcionários da empresa, já que é apenas uma classificação. " os riscos são os mesmos".
    "Você não pode gerenciar o que você não sabe" . 
    "É importante entender  a história de que um indivíduo  antes de contratá-lo".Conhecer a fundo os trabalhadores diminui os riscos da contratação.
    Seawright explicou processo de contratação inteligente, o que pode minimizar os riscos e contratar um funcionário competente e apto.
    (ABC7) Seawright disse que não aconselha os diferentes procedimentos para a verificação do fundo de um funcionário contra um contratante independente. Fazer verificações de antecedentes é relativamente barato. A verificação do número de Segurança Social pode custar US $ 5, antecedentes criminais US $ 30. (AP) 


    Panish perguntou:
    Paul Gongaware sabia que MJ tinha problemas com drogas de prescrição, teria que saber ser crítico na contratação de um médico para MJ?
     "Sim, de fato, seria elevar o risco ainda maior", respondeu Seawright.
    Seawright: A organização conhece o potencial de prejudicar o artista, eles têm informações sobre as partes, o que elevaria o risco (ABC7).


    O procurador Brian Panish pergunta a especialista se a AEG agiu corretamente ao contratar Murray.
    Ela disse que a empresa não seguiu as boas práticas de contratação. Ela disse que teria considerado Murray realizar um trabalho de alto risco, devido a vários fatores.
    O fato de  Murray trabalhar na casa de Jackson, ter acesso a informação confidencial e da família do cantor e dando assistência médica. Seawright disse que no caso de Murray, ela teria recomendado os seguintes testes: criminal, de crédito e histórico de condução. Ela também teria recomendado a verificação de informação da Segurança Social de Murray.


    Panish questiona no caso de  ausência de um registo criminal é  suficiente?.
    Seawright disse que não. Ao formar sua opinião, Seawright disse que contou com o testemunho do Dr. Matheson e outras testemunhas durante o julgamento. (AP) "Eles, de fato, deixaram de seguir as práticas de contratação adequados"
    Monday.Serving como médico pessoal de Michael Jackson assumiu posição de risco, que justifica uma verificação de antecedentes para determinar se Murray estava apto para o trabalho, competente para fazer o trabalho e não tem um conflito de interesses, Seawright testemunhou. A verificação de crédito simples - toma cinco minutos e custa menos de US $ 10 - teria revelado o conflito de interesses, disse ela.Verificações de crédito são rotinas para muitas empresas contratando para posições de alto risco, disse ela. (CNN) "Eu recomendo verificação de antecedentes criminais, de crédito,  uma verificação de segurança social em Dr. Murray", disse Seawright. 
    "Dr. Murray estava em posição de administrar cuidados médicos, mas foi pago por empresa que tinha a capacidade de parar a turnê", disse Seawright. "Se isso acontecesse, o Dr. Murray não seria capaz de continuar a trabalhar, ele estava em um conflito de interesse". Ela disse que não viu nenhuma evidência de AEG realizar de verificações sobre Dr. Murray.


    Panish mostrou um gráfico de processo da AEG para verificar as pessoas, que separa os funcionários de contratantes independentes. Panish exibi um quadro ampliado da AEG Live mostrando separadamente funcionários contratados e funcionários independentes. Panish deu Seawright um marcador vermelho e pediu-lhe para escrever se eram processos que refletem as práticas padrão de recursos humanos.
    Seawright disse que alguns dos processos, incluindo a exposição AEG eram práticas comuns. Outros não. Havia sete itens relativos aos processos de contratantes independentes.
    Seawright escreveu que nenhum foram práticas padrão. Os processos incluídos dependem de uma relação de trabalho anterior com a AEG. Ela disse que exige um contratante independente para ser totalmente seguro e indenizar AEG de responsabilidade beneficiado a empresa.
    Ela disse que um contratante independente pode causar tanto dano como um empregado.
    Seawright disse no mínimo, AEG Live devia ter feito uma verificação de crédito sobre Conrad Murray. Os advogados da AEG Live opôs a algumas das perguntas Seawright estava sendo solicitado, mas o juiz lhe permitiu responder a maioria deles. (AP)
    Seawright disse que há riscos que envolvem os empregados que não estão necessariamente relacionadas com dinheiro. O especialista disse que olhando licença profissional de alguém não é suficiente para qualificar um trabalhador em potencial.
    Seawright passou por todos os procedimentos AEG tem no lugar de contratar empreiteiros independentes e disse que a maioria do seu processo só protege AEG.
    Seawright disse que o fato do  empregado ser independente ou não, não muda o fato de que a empresa é responsável pela contratação de pessoa apta e competente. 


    Panish: empreiteiros independentes poderiam causar os mesmos danos que os funcionários? 
    Seawright: Sim, a checagem de antecedentes minimiza o risco de contratar alguém.
    Seawright apenas incluindo no contrato que Dr. Murray precisava ser licenciado não é suficiente para determinar a sua competência. "Eu não vejo qualquer evidência na minha análise de documentos e testemunhos", nada a respeito da verificação da licença médica de Dr. Murray feito pela AEG. 
    "Você não pode se basear pelas palavras das pessoas" Seawright explicou, dizendo até que você verifique suas credenciais você não sabe se eles estão aptos.


    (ABC7)Panish: Você viu alguma coisa que qualifique Dr. Murray  como alguém extremamente bem-sucedido?Seawright: Eu não vi nada que determinasse isso. Seawright disse que Randy Phillips(co-executor da AEG) reconhecia que o critério era que eles precisavam de alguém ético e imparcial "
    (ABC7) Seawright, em seguida, testemunhou sobre um e-mail do presidente-executivo da AEG Randy Phillips para diretor da turnê Kenny Ortega, em que Phillips disse que Murray  era extremamente competente observando que iam verificar todos mas que Dr. Murray não precisava, então ele é totalmente imparcial e ético ".


     Seawright disse que  Phillips entendia dos critérios para o trabalho e que a AEG tinha um processo no local para examinar os seus trabalhadores. Quando perguntado se ela viu evidências indicando a empresa de fato "check-out" fundo de Murray, ela respondeu: ". 
    Eu não" Em última análise, disse ela, o e-mail indicado AEG estava em uma "espécie de armadilha ... onde se você não confire um trabalhador de forma adequada, então você está em uma situação como esta. 
    "" Foi o Sr. Phillips dizendo o que ele esperava que fosse o caso, mas que mais tarde descobriu que não era o caso ", disse ela. (Los Angeles Times) 


    Seawright disse que as empresas de entretenimento não são diferentes das outros, o RH é uma prática em todos os negócios metas para encontrar, os trabalhadores competentes. Não importa o negócio que você está, você precisa seguir os protocolos de RH. A especialista explicou a verificação de crédito é usado para determinar se ou não a pessoa que atendeu a todos critérios / suas obrigações, se não tivesse qualquer padrão. 


    Seawright explicou que o problema não é a dívida em si, é o fato de que você está em falta, e não  cumpriu as suas obrigações, verificações de crédito são baratos, custam entre US $ 5-8 e levam cerca de 5 minutos para obter o relatório. Quanto ao Dr. Murray, Seawright disse AEG deveria ter feito, no mínimo, uma verificação de crédito.  Dr. Murray,foi apenas uma indicação de MJ. 


    Seawright disse, e AEG deveria ter feito mais investigações sobre ele, o Dr. Murray estava indo para a casa de MJ, teria a exposição a informações confidenciais,  ele precisava ser investigado. Além disso, o Dr. Murray estaria fornecendo assistência médica a MJ e AEG deveria ter verificado, a especialista opinou. 
    Para obter um relatório de crédito, você tem que ter o consentimento do indivíduo, Seawright disse. (ABC7) , o perito analisou um e-mail de fora conselho Kathy Jorrie a Phillips recomendando verificação de antecedentes sobre Dr. Tohme. (ABC7) Durante o depoimento, o advogado da AEG Jessica Bina mostrou estudos sobre 158 empregadores onde  3%  verificou-se o crédito na área da saúde. 
    Outra parte da pesquisa relacionada com os empregados que trabalham nas casas das pessoas, em que 30% dos empregadores realizar verificações de crédito, Seawright testemunhou


     Panish:. AEG poderia ter feito uma verificação de antecedentes sobre o Dr. Murray Seawright:? 
    Não há dúvida de que eles poderiam ter feito isso, se eles quisessem  
     Dr. Murray teve três diferentes números de segurança social, em seu relatório de crédito, de acordo com a LAPD detetive Orlando Martinez. Seawright disse AEG poderia ter executado o fundo do Dr. Murray e teria obtido a mesma informação Det Martinez recebeu (ABC7).


    Panish: Você conhece todas as regras especiais que se aplicam a AEG Live Seawright?
    Não (ABC7) . Nada mais além disso.


    autor AEG Cruz da AEG advogado Jessica Stebbins Bina fez interrogatório.


    Bina perguntou se todas as opiniões de Seawright  são baseados no pressuposto de que a AEG contratou Dr. Murray e não MJ?
    Ela disse que sim. 
    Seawright disse que não analisou a informação assumindo que Michael Jackson havia contratato o Dr. Murray. 


    Juiz diz aos jurados que em última análise, são eles que vão decidir quem contratou o Dr. Murray. 


    (ABC7) Seawright Associates tem quatro funcionários atualmente. Seawright disse que não tem idéia se demandantes verificou seu fundo, mas que ela não assinou a liberação para verificar seu crédito . (ABC7) Seawright disse que nunca correu fundo de seus médicos. Ela não tem trabalhado com promotores de concertos e da indústria da música. A especialista disse que este é o primeiro caso em que a história de crédito de uma pessoa é o principal problema. Os outros casos envolveram antecedentes criminais e comportamento (ABC7) Ela disse que o Jackson vs AEG caso Live é o primeiro onde a história de crédito de uma pessoa era um problema. Outros casos envolveram antecedentes criminais. 


     Bina pedi a Seawright para definir o termo "contratante independente(autônomo).
    " Seawright disse que não havia uma definição standard. O esforço para definir contratante independente levou a uma longa barra lateral.


     Bina lê a definição do dicionário. 


    Seawright disse que a definição do dicionário não definiu totalmente o que um contratante independente era. Seawright não iria definir o termo, a especialista disse que não há uma definição precisa para o contratante independente,.. pode haver características,


    Seawright. :.. É importante ser capaz de identificar a melhor forma de contratar um trabalhador, minimizar o risco, determinar se eles estão aptos e competentes.


    Alguns jurados tinha os olhos fechados neste momento Foi testemunho muito cansativo, alguns membros da audiência estavam dormindo .
    Jurados pareciam estar  longe durante o interrogatório Seawright .


    Uma empresa pode ser acusada de discriminação se os critérios envolvidos na contratação utilizar práticas discriminatórias, Seawright disse. 


    Antes do intervalo, houve uma sessão tensa fora a presença do júri sobre as diretrizes da EEOC em relação à verificação de crédito. AEG advogado Jessica Stebbins Bina pediu Seawright sobre se a EEOC agora proíbe verificações de crédito.


    Stebbins Bina mostrou ao júri uma impressão do site da EEOC mostrando as agências proibidas de verificações de crédito. Autora do advogado Brian Panish se opôs, a impressão não tinha data. 
    Ele disse que o documento não deveria ter sido mostrado.


    Stebbins Bina reconheceu que não tinha certeza se a impressão era de um regulamento federal, então iria verificar isso hoje à noite. 


    Panish ficou extremamente irritado , dizendo ao Juiz que Stebbins Bina errou ao mostrar a impressão ao júri. Pediu que a  impressão e comentários sobre o que fez em frente ao júri fosse retirada dos registros, mas o juiz recusou.


    A juíza Yvette Palazuelos disse que iria aguardar mais informações a respeito do documento e se pronunciaria amanhã.


    sem a presença do júri, não foi uma discussão acalorada sobre o documento que a AEG mostrou.


    Bina diz que a prática é discriminatória


    Brian Panish argumentou com veemência que o documento não tinha fundamento pois não possuía data e precisava saber se a lei estava em vigor em 2009.

    Bina afirmou que o documento, impresso do site, é uma política e um juiz deve ser capaz de tomar conhecimento judicial.
     "O tribunal não deve permitir que, autora seja prejudicada pela má conduta do advogado dos réus.


     "Panish disse ao juiz para ler o documento e o juiz observa:  diz que" geralmente deve ser evitado ", e não diz, que é proibido."


    "Bina:
    Aqui está o texto da política. Documento Consultas Pré-Emprego e rating de crédito ou status econômico: Investigação em ativos de um candidato atuais ou passados, passivos, ou rating de crédito, incluindo falência ou penhora, recusa ou cancelamento da ligação, posse de automóvel, locação ou a proprietário de uma casa, tempo de residência em um endereço, contas de carga, a posse de móveis, ou contas bancárias em geral devem ser evitadas porque eles tendem a ter um impacto  negativo sobre as minorias e mulheres. Exceções existem, se o empregador puder provar que a informação é essencial para firmar o contrato de trabalho.


    Panish disse que o documento não é uma regra, regulamento ou política e disse ao juiz que o juri deve ignorá-lo. 
    Panish disse que é enganoso, impróprio, não devem ser apresentados ao júri e é excessivamente prejudicial ao demandantes.


    Bina argumentou que é claramente admissível: "Eu não acredito que haja qualquer erro em mostrar esse documento para o júri".

    Panish Palazuelos Juiz solicitados Juiz:. se ele sair notificação judicial era impróprio, mas admissível em outro terreno, pode ser difícil de explicar para o júri o juiz quer ter certeza. de chegar ao fundo da questão, se é admissível ou não, antes de instruir o júri de uma forma ou de outra. notificação judicial é uma regra na lei de thatallows evidência um fato a ser apresentada como prova, se a verdade de que o fato é tão notórios ou conhecidos, ou com tanta autoridade atestou que ele não possa ser razoavelmente duvidar. Isso é feito a pedido da parte que pretende contar com o fato em questão.


    Fatos e materiais admitidos sob aviso judicial são aceitos sem ser formalmente apresentado por testemunha ou outra regra de evidenceand eles são mesmo admitiu se uma das partes deseja conduzir prova em contrário (ABC7). 


    Bina retomou interrogatório, de volta com o júri: Dr. Murray tinha uma licença médica legítima, Seawright:? 
    No meu entendimento, sim.


    Seawright disse que uma vez o crédito do Dr. Murray e que não estava adequado para o emprego, assim ela não investigou mais. Não havia necessidade de continuar, pois só esse item já apontava que Murray não estava apto para o emprego.


    Quanto ao contrato do Dr. Murray para executar os serviços a produtora" Bina disse que foi um erro a Produtora se basear na indicação do artista. 


    Seawright disse que viu vários depoimentos contradizendo, várias pessoas bem qualificados analisou o contrato e que não foi alterado na versão final. (ABC7) 
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Sab Jul 20, 2013 8:50 pm

    Jackson x AEG - 42º Dia - 02 de julho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Katherine estava na Corte.

    Testemunho de Jean Seawright


    Bina, advogada da AEG, perguntou se Seawright conhecia o histórico do tratamento de pacientes de Dr. Murray, e se tinha registro de prejudicar os pacientes. Seawright explicou que ela examinou seu histórico financeiro apenas, e ela não viu necessidade de ir mais longe. Seawright disse que, com base no histórico de crédito do Dr. Murray, ele tinha 180 dias em sua hipoteca. (ABC7)

    Bina perguntou se verificações de antecedentes eram necessárias. Seawright disse que eram, porque você está colocando os clientes em risco. Seawright explicou a sua responsabilidade era a saúde de Michael Jackson durante a turnê. (ABC7)

    Os empregadores têm o direito de realizar A verificação de antecedentes, Seawright disse. Mas ela observou que suas práticas não podem ser discriminatórias. (ABC7)

    Panish, advogado de Jackson, perguntou se Seawright viu em qualquer lugar, neste caso, a AEG dizendo que eles não realizaram a verificação de crédito em Murray porque isso poderia ser discriminação. "Eu nunca ouvi falar isto, em todos os documentos que li," Seawright respondeu. (ABC7)

    Seawright disse que Dr. Murray pedir US $ 5 milhões, inicialmente, levantou dúvidas em sua mente por que ele estaria pedindo muito. (ABC7)

    Panish então perguntou a Seawright se ela acreditava que a AEG Live contratou Murray, pergunta que o júri vai decidir. Panish disse que fez a pergunta porque Stebbins Bina fez uma pergunta semelhante sobre o interrogatório. Em um ponto, a juiza Palazuelos esfregou as mãos sobre o rosto e parou o processo. Ela virou-se e dirigiu-se ao júri. Ela explicou que uma das suas ordens pré-julgamento era de que os especialistas poderiam assumir que Murray foi contratado ou não contratado pela AEG Live. Ela disse que os especialistas não deveriam dizer se eles acreditavam que Murray foi contratado ou não - que era para o júri decidir. (AP)

    Testemunho de Dr. Sidney Schnoll - especialista em vicío, pelos Jacksons


    Michael Koskoff, advogado de Jackson, está questionando

    Dr. Schnoll revisados ​​prontuários, depoimentos e transcrições neste caso. Ele também foi deposto. (ABC7)

    Dr. Schnoll: A dependência de drogas é o efeito farmacológico da droga. "Você toma continuamente e de repente para, você entra em retirada", disse o Dr. Schnoll. "Se você continuar a tomar, desenvolve tolerância". A tolerância é quando há uma necessidade de tomar mais da droga para que ela tenha efeito, o Dr. Schnoll explicou.
    Dr. Schnoll: Quando você tomar certos medicamentos e parar de repente você entra em síndrome de abstinência, que normalmente é o efeito oposto da droga.
    Koskoff: Será que as pessoas que estão tomando o tratamento adequado tornam-se dependentes de drogas?
    Dr. Schnoll: sim. Se o paciente está devidamente sendo prescrito e monitorado, Dr. Schnoll disse que eles podem ter uma vida normal.
    Koskoff: Pode a abstinência de drogas, por vezes, ser difícil, mesmo para os não-dependentes de drogas?
    Dr. Schnoll: sim.
    Dr. Schnoll: O vício é uma doença crônica que se caracteriza pelo desejo, o uso compulsivo de uma droga, continuadamente, apesar das evidências de dano. O fator primário é geralmente genético, Dr. Schnoll disse sobre viciados.
    Dr. Schnoll disse que há uma diferença entre ser viciado e dependente de drogas. Dependentes procura drogas, viciados desejam obter alta. Para determinar se um paciente é dependente ou viciado, Dr. Schnoll disse que é necessário olhar para o comportamento da pessoa durante o uso da droga. Normalmente o médico olha uma escala de 0-10 sobre a dor, então ajusta a quantidade da droga para dar-lhes o que é suficiente para tratar a sua dor. (ABC7)

    Ele disse que a dependência é comum e pode acontecer sob os cuidados de um médico. (AP)

    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Sab Jul 20, 2013 10:10 pm

    Jackson x AEG - 43º Dia - 03 de julho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Koskoff: Se uma pessoa está sendo tratada, como parte da boa prática médica, alguém pode se tornar dependente de drogas? Dr. Schnoll: se eles estão em tratamento com opióide por longo tempo, irá se tornar dependente. Os opióides são os medicamentos mais comumente prescritos nos EUA. Alguns pacientes se tornam dependentes, Dr. Schnoll disse.
    "A dor é a queixa mais comum que chega a um consultório médico." (ABC7)

    Koskoff: Há qualquer evidência de qualquer testemunha que MJ tenha usado Demerol fora do ambiente médico? Dr. Schnoll: Não.
    Koskoff: Houve um período de tempo em que MJ usou Demerol para tratamentos do couro cabeludo? Dr. Schnoll: Sim (ABC7)

    Koskoff disse que com base nos registros médicos dos últimos 16 anos da vida de MJ, ele estava livre de Demerol por 13 anos e meio . Koskoff perguntou se isso era consistente com um viciado em drogas. Dr. Schnoll respondeu que não. (ABC7)

    Koskoff perguntou se o Dr. Schnoll leu o depoimento de Dr. Earley dizendo que MJ era um viciado em drogas e que iria morrer cedo. Koskoff: Você concorda com essa opinião? Dr. Schnoll: Não (ABC7)

    Dr. Schnoll disse que não viu nenhuma evidência de que MJ tenha usado droga recreativa ou auto-injetado na ausência de um médico. O especialista disse que viu evidências de que MJ estava com medo de agulhas, não tomava medicamentos além do que era prescrito pelos médicos. (ABC7)

    Entre 1994 e 1996, o Dr. Schnoll não viu nenhuma evidência do uso de Propofol em MJ sob qualquer circunstância. A droga era utilizada para procedimentos odontológicos e de tratamento cosmético, Dr. Schnoll disse, acrescentando que era apropriada para isso. Dr. Murray usou Propofol para dormir, Dr. Schnoll disse que isso era impróprio. "Além disso, ele não era um anestesista". Koskoff perguntou se havia alguma evidência de que MJ era viciado ou dependente de Propofol até Dr. Murray. Dr. Schnoll disse que não. Dr. Schnoll disse que Propofol não é adequado para tratar a insônia, mesmo que MJ sugerisse. (ABC7)

    A última injeção de Demerol que MJ ​​recebeu de Dr. Klein foi em 22 de junho, uma dose de 100 mg, de acordo com os registros, Dr. Schnoll testemunhou. Dr. Schnoll disse que não havia nenhum vestígio da droga no corpo de MJ no momento de sua morte. Ele também disse que a droga não teria efeito sobre MJ no dia 25 de junho. (ABC7)

    Às vezes, a prescrição é dada com nomes de outras pessoas, Dr. Schnoll disse, pois celebridades muitas vezes não querem que as pessoas levantem seus registros. Dr. Schnoll disse que certa vez Frank Sinatra foi para o hospital depois de desmaiar no palco. O computador do hospital ficou sobrecarregado com pessoas tentando obter informações sobre o que aconteceu com Sinatra, Dr. Schnoll disse. (ABC7)

    Koskoff: Supondo que MJ era dependente, você acha que o tratamento adequado seria capaz de eliminar a sua dependência? Dr. Schnoll: sim.
    Koskoff: Vamos supor que MJ realmente era viciado em Demerol em 2009, você tem uma opinião quanto ao seu prognóstico para o sucesso do tratamento? Dr. Schnoll: Ele poderia ter sido tratado, ele poderia ter sido tratado se ele tivesse as pessoas certas. Ter uma família e  ambiente apoiando é fundamental para superar o vício, Dr. Schnoll explicou.

    "A autópsia disse que estava em muito, muito bom estado," Dr. Schnoll disse ao júri sobre MJ.

    Dr. Schnoll: Alguns dos melhores resultados no tratamento são com pessoas que têm muito a perder se continuarem seu vício (ABC7).

    Advogado AEG, Kathryn Cahan, passou a questionar Dr. Schnoll.


    Dr. Schnoll criou o termo "Rock Doc", referindo-se aos médicos que trabalham em shows de rock n roll.

    Cahan: Você acha que é ético que médicos saiam em turnê? Dr. Schnoll: Depende do que eles fazem quando saem em turnê com eles. Eu conheço algumas pessoas que trabalharam em concertos, Dr. Schnoll disse.


    Só o fato de  Dr. Klein ter injetado Demerol em MJ não aumenta a preocupação de uma recaída da dependência de Demerol, Dr. Schnoll.

    Cahan perguntou se é prática comum usar Demerol para injeções de Botox e preenchedores de tratamento facial. Dr. Schnoll respondeu que não sabia, pois ele não faz esses procedimentos.(ABC7)

    Dr. Schnoll disse que as pessoas ficam confusas quanto a saber se o paciente é viciado ou dependente de drogas. O especialista disse que as pessoas reconheceriam que havia algo errado com MJ, mas poderiam não ser capazes de reconhecê-lo como retirada de opióides. A retirada de opióides incluem calafrios, coriza, lacrimejamento dos olhos, pupilas dilatadas, arrepios. Dr. Schnoll disse que a maioria dos médicos seriam capazes de colocar todos os sintomas juntos e concluir que é a retirada de opiáceos. O médico concordou que alguns leigos poderiam identificar os sintomas como gripe. (ABC7)
    avatar
    ana claudia
    Membro MJFan

    Mensagens : 55
    Data de inscrição : 17/03/2013
    Idade : 39
    Localização : Itaberá , sp .

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por ana claudia em Seg Jul 22, 2013 11:34 am

    O depoimento do Prince é muito emocionante . Ja o do Taj também é emocionante , mas a karen ...
    Nada de que saia da boca dessa mulher me agrada , nada me comove ...nada, nada. nem sei o pq ela foi chamada pra depor , sendo que no julgamento do Murray ninguem deu atenção pra ela . No filme This is it a gente mal vê a Karen . Não entendi o pq dela ir lá num tribunal e falar de um casamento que acabou a seculos e nada tem haver com o julgamento .  Ha anos a gente sabe que Mj não tem mais contato com Lisa pois se tivesse tido algum contato com certeza ja teria vazado . Pra mim a ultima vez que MJ viu Lisa foi naquele restaurante e só ..e a ultima vez que Lisa viu MJ foi no caixão . De nada ajudou o testemunho dessa infeliz .Quero ver a hora que começar a defesa da AEG ...e vai dar inicio essa semana .
    Aguardem ...com certeza vão passar o sabão nos Jacksons .
    avatar
    Vall
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 575
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 50
    Localização : Mundo de Michael Jackson

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Vall em Seg Jul 22, 2013 12:16 pm

    Concordo com você Ana.. nada do que sai da boca dessa mulher me convence..aliás muitos assuntos levantados nesse julgamento não tem nada haver com o objetivo propriamente dito.. queria saber porque essa juíza ta deixando as coisas rolarem dessa forma... to muito estressada com essa juíza, francamente...  Karen não se conforma de apesar de estar tão perto do fofo, não teve vez com ele.. háháháhá...
    avatar
    ana claudia
    Membro MJFan

    Mensagens : 55
    Data de inscrição : 17/03/2013
    Idade : 39
    Localização : Itaberá , sp .

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por ana claudia em Seg Jul 22, 2013 5:06 pm

    Falem pra mim , isso que ela citou em relação a MJ e Lisa , o que tem de ali que ajude a AEG ou aos Jacksons??NADA ..NOTHING.
    Não ajuda ninguém a não ser a Lisa .
    Acho que elas estão faturando juntas ...
    Descobri outro dia que a Karen é que esta maquiando a Lisa pras Tours da Lisa .
    Também acho que esse julgamento ta mais pra tabloide .
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Seg Jul 22, 2013 6:13 pm

    ana claudia escreveu:Falem pra mim , isso que ela citou em relação a MJ e Lisa , o que tem de ali que ajude a AEG ou aos Jacksons??NADA ..NOTHING.
    Não ajuda ninguém a não ser a Lisa .
    Acho que elas estão faturando juntas ...
    Descobri outro dia que a Karen é que esta maquiando a Lisa pras Tours da Lisa .
    Também acho que esse julgamento ta mais pra tabloide .
    Sério que a Karen tá maquiando a Lisa? Shocked 

    Também acho... este julgamento já deixou de ser sobre "negligencia em contratação" faz tempo. Mad
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Seg Jul 22, 2013 8:06 pm

    Jackson x AEG - 44º Dia - 08 de julho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Vídeo da deposição do Dr. Stuart Finkelstein

    Dr. Finkelstein foi contratado para trabalhar na turnê Dangerous, em 1993.  (ABC7)

    Boyle: Quem o contratou para a Dangerous Tour?
    Dr. Finkelstein: Marcel Avram
    Boyle: Qual era o seu papel?

    Dr: Ser o médico da equipe. (ABC7)

    Dr. Finkelstein disse que não foi contratado para tratar o artista. Mas, em Bangkok, ele foi chamado pelo segurança. "Ele disse que precisava ir até o chefe." o médico lembrou.

    Dr. Finkelstein: Ele parecia estar com dor, fui colocado ao telefone com o seu médico assistente, em Los Angeles, Dr. Alan Metzger.

    Dr. Metzger disse que MJ tinha dor de cabeça intensa, estava com muita dor.  

    O médico disse que ele administrou morfina e fluidos intravenosos (IV). MJ estava consciente e falando.

    O segundo concerto em Bangkok foi adiado por um dia. O médico disse que o publicitário lhe disse para a CNN e dizer que MJ colocou tanto esforço no show e estava desidratado. (ABC7)

    Dr. Finkelstein disse que MJ tinha um problema com opiáceos, dependência. Dr. Finkelstein: MJ tinha bandagem "duragesic" de 100 micrograma e haviam duas ampolas de Demerol que foram enviados com outro membro da equipe. O médico disse que ele sentia que alguém que, obviamente, tinha recebido uma grande quantidade de medicação no passado, tem uma alta tolerância à medicação.

    Boyle: Há quatro fatores que levam você a acreditar que MJ era um dependente de opiáceos?

    Dr. Finkelstein: Sim, a bandagem, duas ampolas de Demerol com Karen Faye, a observação de que MJ tinha uma alta tolerância e cicatrizes em suas nádegas. "Ele obviamente teve múltiplas injeções em suas nádegas antes de chegar a Bangkok", disse o Dr. Finkelstein. (ABC7)

    Depois que o Dr. Finkelstein tratou MJ, um médico inglês foi trazido, Dr. Forecast. Dr. Finkelstein disse Dr. Forecast arrombou sua mala para conseguir medicamentos contra dor para dar a MJ. Dr. Finkelstein disse que queria desintoxicar MJ na Suíça e sair em turnê. Dr. Finkelstein disse que tinha medicação suficiente para todas as 160 pessoas da turnê, para qualquer cenário. (ABC7)

    Dr. Finkelstein: Os cabeça poderosos se reuniram. Eles ligaram para Elizabeth Taylor para fazer uma intervenção e levaram MJ a um Hospital, em Londres. "Ele não entrou em colapso", disse o Dr. Finkelstein. "Parecia que estava ficando cada vez mais difícil gerir a sua dor." Houve também um vídeo da deposição de MJ na Cidade do México relacionado com o caso Chandler, de abuso infantil . A tensão aumentou a vontade de MJ por opióides, Dr. Finkelstein disse. Elisabeth Taylor foi pessoalmente à Cidade do México para lidar com MJ. (ABC7)

    Finkelstein e Gongaware são amigos, disse ele. Boyle: Será que você discutiu com o Sr. Gongaware sobre a dependência de opiáceos deo MJ?

    Dr. Finkelstein: Sim (ABC7)

    "Ele era um doce, amável, gentil, divertido", disse Dr. Finkelstein sobre MJ. "Com base na minha observação, ele era gentil com todos." (ABC7)

    Dr. Finkelstein disse que ele e Dr. Forecast concordaram que MJ precisava de uma intervenção e de desintoxicação. (ABC7)

    Dr. Finkelstein testemunhou que Gongaware chamou cerca de dois meses antes da morte de MJ e lhe disse que MJ faria uma turnê em Londres e queria um médico. Dr. Finkelstein disse que estava animado com isso, queria ser médico de MJ, teve 5 a 10 conversas com Gongaware sobre isso. Dr. Finkelstein disse que perguntou se Gongaware sabia se MJ estava "limpo". A resposta foi sim. O médico explicou que não gostaria de sair em turnê se MJ tivesse problemas com drogas. Dr. Finkelstein disse que cobraria $40.000 por mês, $ 10,000 por semana. Ele se lembra de Dr. Murray pedindo muito  dinheiro para sair em turnê. (ABC7)

     Dr. Finkelstein disse que não há muitos casos de dependência de Propofol, uma vez que é uma droga muito difícil de obter. Ele disse que a taxa de mortalidade em dependentes de propofol é muito alta, cerca de 80%. A maioria dos dependentes estão no campo da medicina. Dr. Finkelstein disse que as pessoas de todas as esferas podem se tornar dependentes de opiáceos. (ABC7)

    Dr. Finkelstein disse que o Demerol era prescrito por Dr. Alan Metzger em nome de Karen Faye. A droga não era para ela, no entanto. Dr. Finkelstein disse que deu a MJ 10 mg de morfina. A dose inicial habitual é de 2 a 4mg, mas MJ tinha alta tolerância a opióides. (ABC7)

    Testemunho de Kenny Ortega

    Advogado dos Jacksons, Brian Panish, fez o questionamento.

    Panish perguntou o que Ortega revisado para se preparar para o seu testemunho. Ortega disse ele revisou seus próprios e-mails, o depoimento de Karen Faye, e seu depoimento no julgamento de Conrad Murray. (AP)

    Ortega disse que ele tinha um contrato com a AEG Live. "Eu estava trabalhando em comunicação com eles", disse ele. Para certas coisas, Ortega disse que informava a Paul Gongaware e Randy Phillips. Ortega disse que seu agente e advogado negociaram seu contrato com a AEG Live. Gongaware representou a AEG Live. Ortega disse que em um ponto seu representante disse que a negociação passou da AEG Live com Michael Jackson. Ele não sabe os detalhes, no entanto. (ABC7)

     Ortega estava tendo problemas Panish ouvir e em um ponto lhe pediu para falar. Ortega teve problemas com algumas perguntas. Ortega: "Eu realmente ter perda auditiva, por isso não é culpa sua." Panish começou a falar-se, mas os procedimentos tornaram-se menos tensa. (AP), Ortega disse que tem perda de brinco, por isso ele não pode ouvir bem. Ele pediu Panish falar. (ABC7)

    "Meu papel em This Is It, eu era parceiro criativo de Michael no show." Ortega acrescentou que informou sobre questões financeiras e de agendamento a AEG Live. Ele diz que os manteve atualizados sobre o "crescimento criativo." (AP)

    Panish perguntou se Ortega tem trabalhado com a AEG Live desde "This is It". Ele trabalhou na recente turnê dos Rolling Stones. (AP) O diretor disse que foi chamado por Mick Jagger para trabalhar na turnê de aniversário de 50 anos, trabalhando com a AEG.  (AP)

     Panish: Você se considera amigo de Gongaware? Ortega: Sim
     Panish: Você se considera amigo de Randy Phillips? Ortega: Sim
     Panish: Você se considera amigo de Michael Jackson? Ortega: Sim (ABC7)

    Panish mencionou que Ortega era originalmente um réu citado no processo. Ele perguntou se Ortega sabia por que ele foi dispensado.  O diretor disse acreditar que ele foi dispensado porque não era um funcionário da AEG Live. (AP)

    Michael e as crianças foram ver High School Musical, em Las Vegas.
    Panish: Como você se sente? Ortega: (longa pausa) Eu estou sem palavras, não consigo pensar
    Panish: Foi uma grande emoção? Ortega: "Eu sei com certeza que Paris estava cantando, eles estavam todos de pé e gostando", Ortega lembrou. MJ foi aos bastidores. "O elenco, que estavam chorando e gritando, e apenas sem palavras", disse Ortega. "Ele era muito generoso, muito doce e gentil com todos", disse Ortega sobre Michael Jackson. (ABC7) 

    Ortega conheceu MJ em 1990. "MJ me chamou para ajudar a montar a Dangerous Tour", disse ele. (ABC7)

     Panish, em seguida, mostrou a abertura do  filme "This is It". A parte com os dançarinos falando sobre a influência de MJ. "Ele queria balançar o mundo, ele queria que soubessem que ele estava de volta." Panish , em seguida, mostrou a abertura da turnê "Dangerous". Panish perguntou se Ortega sabia que Jackson doou os lucros de "Dangerous " para a caridade. Ortega disse que não sabia disso.  (AP)

    MJ foi para um orfanato na Romênia antes de ir para seu hotel. Ortega disse que MJ não queria fazer o show antes que o orfanato estivesse limpo. MJ queria ter certeza que todas as crianças tinham o que precisavam, explicou Ortega. Ortega disse que  MJ queria melhorar a condição humana para as crianças ao redor do mundo. (ABC7)

    Ortega foi perguntado se ele sabia que, se Jackson era viciado em analgésicos na turnê "Dangerous". Ele disse que não sabia. Ortega disse que não sabia, mesmo até hoje, que Jackson tinha problemas com analgésicos durante os shows  da "Dangerous". (AP) Ortega disse que sabia que Jackson sofria com dores, mas nunca o vi tomar remédios. Ortega foi questionado se já viu Jackson agir diferente depois de visitas ao médico. Ele disse que sim.He descreveu MJ como "off". (AP)

     Em 1995, Ortega estava agindo como um consultor de MJ para um evento no Beacon Theater em Nova Iorque.

    Panish: Alguma vez você se tornou consciente de que ele não estava bem? Ortega: Ele era infeliz.

    Ortega: Ele me chamou porque estava insatisfeito com o que estava acontecendo com sua coreografia clássica, ele não queria que fosse alterada. Ortega disse que MJ desmaiou e o show foi cancelado.  MJ foi então transportado para o hospital de ambulância. "Poderia ter sido cansaço, eu não sei, eu não me lembro", disse Ortega. (ABC7)

    Panish mostrou um vídeo de abertura da turnê "HIStory". Ortega disse que MJ queria que sua música inspirasse a mudança do mundo. "O grande exemplo disso é Man in the Mirror", disse Ortega. "A mudança precisa acontecer dentro de cada um de nós para uma mudança no mundo acontecer.  (AP)

    Ele foi, então, perguntado sobre o show de Munique, quando uma ponte caiu com MJ em cima dela. Jackson continuou a se apresentar, mas Ortega disse que ele foi levado para o hospital após o show. MJ relatou de dores nas costas depois disso. (AP)  Ortega disse que achava que MJ teve problemas nas costas depois. Mas o diretor disse que nunca viu MJ tomar medicação. (ABC7)

    Panish perguntou a Ortega se Randy Phillips contou a ele sobre o comportamento de Jackson antes da conferência de imprensa de "This Is It". Ortega disse que não. Ortega disse que se soubesse a descrição de Phillips sobre Jackson estar desanimado, poderia ter afetado sua decisão em trabalhar no show. (AP)

    Email em 12/03/09 de Gongaware para Ortega: Vendemos 30 shows hoje na pré-venda. Quente não descreve isso. Ortega respondeu: Eu diria que nós estamos além de um bom começo. Parabéns a todos. Gongaware respondeu: Paramos em 50 shows esgotados no O2 Arena. A demanda estava lá para outros 50. Isso é história e você é parte dela. Ortega respondeu: Sim! Bom para MJ, Deus sabe que ele tem passado por tanto negativo como nenhuma pessoa deve passar. Ótima notícia, eu não poderia estar mais feliz pela equipe. (ABC7)
    avatar
    Tay
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 520
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 30
    Localização : Rio Grande do Sul

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Tay em Seg Jul 22, 2013 9:30 pm

    Jackson x AEG - 45º Dia - 09 de julho de 2013

    Fonte: MJJC (fontes originais creditadas ao longo do resumo)
    Tradução: Tay, para o fórum MJ Art

    Ortega foi perguntado quem estava pagando os honorários de seu advogado. Ortega disse que a AEG Live estava pagando, mas ele escolheu o advogado. (AP) 

    Panish perguntou se AEG queria fazer a produção dentro de custos razoáveis. "Eu acho que é a posição geral dos produtores responsáveis", disse Ortega. "Eu não quis discutir o financiamento com MJ", disse Ortega. (ABC7)

     Ortega não trabalhava com MJ há mais de 10 anos. Em termos de criatividade, Ortega disse que não tinha mudado muito entre os dois. Jackson e Travis estavam mais envolvidos nas etapas e apresentações de dança, Ortega disse. (ABC7)

    Panish mostrou um e-mail com os nomes dos artistas envolvidos em "This Is It". Ortega disse que Karen Faye estendeu a mão para ele, já tinha falado com MJ sobre ser parte da equipe. (ABC7)

    Ortega não sabe quando ele assinou seu contrato. Panish mostrou uma cópia do contrato de Ortega. Foi executado em 25 de abril de 2009. Ortega não tinha um contrato escrito quando fez a audição dos bailarinos. (ABC7)

    Os shows deveriam começar em Londres no dia 8 de julho. Ortega: Michael e eu queríamos estender o nosso tempo antes da abertura, então eu me senti confortável, tomando a animação (da transferência). "Como diretor do show, eu não senti que estaria pronto até as datas originais do show", disse Ortega. (ABC7)

     Email em 5/19/09 a partir de Ortega sobre o adiamento do show: sinto-me desconfortável com a maneira como a liberação lê neste momento. Eu sinto fortemente que é desnecessário e equivocado tanto da imprensa e fãs para sugerir coisas como "encenação é de outro planeta" ou "encenação nunca antes visto." Nós não estamos fazendo a Olimpíada chinesa. (ABC7)

    Ortega conheceu Dr. Murray na casa em Carolwood, em abril ou maio. Ele se lembra do médico ir aos ensaios uma ou duas vezes. MJ estava em dois ensaios no Staples, 23 e 24 de junho. Ortega disse que Dr. Murray estava envolvido na criação da programação de Michael para os ensaios. Phillips ou Paul Gongaware disse a Ortega que Dr. Murray faria a agenda de MJ e o ajudaria a chegar ao ensaio.  (ABC7)

    "Eu só queria que ele viesse para o ensaio", disse Ortega. "Em algum momento, tornou-se minha preocupação número um", disse Ortega sobre MJ aparecendo em ensaios. (ABC7)

    Havia quatro ligações entre Dr. Murray e Ortega em 18 de junho. Uma durou 30 minutos. Ortega disse que eles já estavam nos ensaios e que a única razão por KO ligar para Murray era para perguntar sobre a ausência de MJ nos ensaios. 
    Panish: Michael vinha todos os dias para o ensaio em junho? Ortega: Não

    Em 19 de Junho, houve várias ligações entre Ortega e Dr. Murray. Ortega lembra desta data porque houve um problema com MJ. O primeiro telefonema de Ortega foi às 11:25 da manhã e MJ não estava no ensaio.

    Antes de 19 de junho, Ortega disse que MJ não tinha ido aos ensaios por uma "boa semana", mas poderia ter sido mais. Eles deveriam partir para Londres em 3 de julho, de modo que tinham entre 10 e 12 ensaios restantes. "No dia 19 eu tinha mais do que uma preocupação séria de que o show pudesse continuar", disse Ortega.
    Panish: Você teve sérias dúvidas? Ortega: Sim.

    Ortega disse que em 19 de junho MJ estava frio, tremendo. "Ele estava lento no crescimento para o show", explicou Ortega.
    Panish: Sobre a perda de peso? Ortega: Eu tinha uma preocupação, sim
    Ortega disse que MJ queixava-se de dor nas costas. (ABC7)

    Panish: Ele parecia perdido? Ortega: Sim, no dia 19
    Panish:  Ele parecia paranoico? Ortega: Sim
    Panish: Você acha que ele estava se comunicando com clareza? Ortega: Não. Pela parte da noite. Ele ficou melhor (ABC7)
    avatar
    ana claudia
    Membro MJFan

    Mensagens : 55
    Data de inscrição : 17/03/2013
    Idade : 39
    Localização : Itaberá , sp .

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por ana claudia em Seg Jul 22, 2013 10:20 pm

    Mas td isso era em função do propofol.
    avatar
    Vall
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 575
    Data de inscrição : 31/01/2013
    Idade : 50
    Localização : Mundo de Michael Jackson

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Vall em Ter Jul 23, 2013 2:29 pm

    Tay escreveu:
    ana claudia escreveu:Falem pra mim , isso que ela citou em relação a MJ e Lisa , o que tem de ali que ajude a AEG ou aos Jacksons??NADA ..NOTHING.
    Não ajuda ninguém a não ser a Lisa .
    Acho que elas estão faturando juntas ...
    Descobri outro dia que a Karen é que esta maquiando a Lisa pras Tours da Lisa .
    Também acho que esse julgamento ta mais pra tabloide .
    Sério que a Karen tá maquiando a Lisa? Shocked 

    Também acho... este julgamento já deixou de ser sobre "negligencia em contratação" faz tempo. Mad

     
    Faye maquiando Lisa?!.. oh era de se esperar.. as bruxas se entendem!  kkk 

    quanto ao julgamento realmente tá virando piada.. muita coisa nada haver... parece um fórum tabloideano

    Conteúdo patrocinado

    Re: [Jackson x AEG] Acompanhe o julgamento - Discussões gerais e Atualizações Diárias

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Dom Set 24, 2017 5:12 pm